Dia a dia

Obras de recuperação do Corredor do Mindu receberão um quilômetro de nova via urbanizada

A nova via faz parte das obras de Recuperação Ambiental e Requalificação Social e Urbanística do Igarapé do Mindu - foto: Divulgação

A nova via faz parte das obras de Recuperação Ambiental e Requalificação Social e Urbanística do Igarapé do Mindu – foto: Divulgação

Começa na próxima terça-feira (13), a pavimentação asfáltica de mais um trecho do Corredor do Mindu, com aproximadamente um quilômetro de pista, entre as ruas João Câmara e Rio Valpes, no Novo Aleixo, Zona Norte. A nova via faz parte das obras de Recuperação Ambiental e Requalificação Social e Urbanística do Igarapé do Mindu, que vai levar saneamento e qualidade de vida aos moradores do entorno do corredor.

Oitenta homens atuam diariamente no canteiro de obras, com auxílio de 20 máquinas pesadas já executaram os serviços de implantação da canalização da drenagem profunda, calçadas amplas, meio-fio e sarjetas. Com a pavimentação deste trecho, haverá liberação da via até a Ponte Paraguai. Outros dois quilômetros devem ser entregues até o final do ano.

Para avançar as obras, a Prefeitura de Manaus contou com verba liberada pelo Ministério das Cidades, conquistada pela primeira vez no Brasil para pagamento de benefício social e para a indenização das famílias que moravam às margens do igarapé. Após o financiamento, assinado em julho deste ano, mais 141 casas foram indenizadas e retiradas do leito do igarapé. Outras 60 famílias devem ser indenizadas até o próximo mês de dezembro.

Primeira parte

A primeira etapa da obra, o sistema viário do corredor ecológico do Mindu, foi entregue em 26 de março de 2013, recebendo o nome de Nathan Lemos Xavier de Albuquerque. A via tem aproximadamente três quilômetros de extensão, com 10,80 metros de largura, nos dois sentidos da pista e faz a ligação viária entre a Avenida das Torres e a Rua João Câmara, no bairro Novo Aleixo.

Além disso, a Nathan Xavier faz a interligação com o Parque Linear II, que compreende a Rua João Câmara até a Autaz Mirim, principal avenida da Zona Leste, totalizando os três quilômetros de extensão e onde a prefeitura atua no primeiro quilômetro com obras de infraestrutura.

“Essa é uma obra de requalificação ambiental e de saneamento. É a correção do canal do igarapé do Mindu com a contenção de gabião (caixa de tela metálica preenchida com pedras). Etapa mais minuciosa da obra. Esse serviço já está com 90% dos trabalhos concluídos. Agora é a fase da implantação e estruturação da via, calçadas, meio-fio e sarjetas”, explicou a diretora da Unidade Executora de Projetos da Secretaria Municipal de Infraestrutura (UEP/Seminf), Myrian Koifman.

Parque Linear

As ações no parque linear foram divididas em duas etapas. Hoje, a Seminf trabalha na etapa II (da Rua João Câmara até a Autaz Mirim). Com a conclusão e entrega dessa fase, a prefeitura dará início às obras no Parque Linear I, que é a continuidade deste grande corredor viário, começando na Avenida Autaz Mirim e seguindo até o bairro Val Paraíso.

Desapropriação da área

Durante toda a obra, aproximadamente, três mil casas foram mapeadas para serem retiradas das margens do igarapé – no trecho que se estende do entroncamento da rua Itaeté às avenidas Autaz Mirim e Brigadeiro Hilário Gurjão, bairro Jorge Teixeira, Zona Leste, até a ponte que dá acesso à rua João Câmara, no bairro Novo Aleixo, zona Norte.

Desse número, 393 famílias já foram indenizadas. As indenizações ocorreram de 2013 a 2015. Outras 415 famílias foram contempladas com aquisição de moradias, como preconiza o contrato firmado. Mais 679 famílias foram reassentadas nas duas unidades habitacionais construídas pela prefeitura: Parque dos Buritis I, no Santa Etelvina, e Parque Residencial Deus é Fiel, no Cidade de Deus.

Projeto

O projeto de revitalização do Corredor do Mindu foi assinado, ainda em 2007, mas a obra só teve andamento em 2010 a partir de investimentos de R$ 200 milhões. O manejo das águas urbanas contempla ações para instalar e implantar soluções ambientais corretas na área da bacia do Igarapé do Mindu, interrompendo um ciclo de vários anos de ocupação irregular em áreas de preservação permanente.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir