Política

Obama escolhe novo nome para embaixada dos EUA no Brasil

O nome ainda será submetido ao Senado americano, mas já recebeu, no mesmo dia, o agrément (anuência formal) do Brasil  - foto: divulgação

O nome ainda será submetido ao Senado americano, mas já recebeu, no mesmo dia, o agrément (anuência formal) do Brasil – foto: divulgação

O presidente Barack Obama anunciou na quarta (24) o diplomata Peter Michael McKinley como sua escolha para ser o próximo embaixador dos Estados Unidos no Brasil. O nome ainda será submetido ao Senado americano, mas já recebeu, no mesmo dia, o agrément (anuência formal) do Brasil.

Atualmente embaixador do país no Afeganistão, McKinley substituiria a diplomata Liliana Ayalde, que chefia a embaixada americana em Brasília desde 2014.

Diplomata de carreira, o escolhido de Obama tem 62 anos e um antigo envolvimento com a América Latina. Filho de americanos, nasceu na Venezuela. Fala português, espanhol e francês e cresceu vivendo entre Brasil, México, Espanha e Estados Unidos, de acordo com sua biografia divulgada pelo Departamento de Estado americano (equivalente a ministério do Exterior).

Além disso, foi embaixador no Peru (2007-2010) e na Colômbia (2010-2013) e é autor de um livro sobre o período colonial na Venezuela, “Pre-Revolutionary Caracas: Politics, Economy, and Society: 1777-1811” (Caracas pré-revolucionária, política, economia e sociedade: 1777-1811, sem tradução para o português).

McKinley é considerado no Departamento de Estado um diplomata experiente e talentoso -e, segundo fontes disseram à Folha de S.Paulo, uma escolha de peso. O fato de ter sido embaixador no Afeganistão, um país em guerra, é citado como prova de competência.

Carreira

A carreira diplomática de McKinley teve início em 1983, depois que ele concluiu o doutorado em Estudos Latino-Americanos na Universidade de Oxford (Reino Unido). Seu primeiro posto no exterior foi na Bolívia, onde trabalhou no setor consular. De volta a Washington, continuou trabalhando com temas latino-americanos, como pesquisador e analista de inteligência com foco em El Salvador e Cuba. Em seguida foi chefe do departamento que cuida de Angola e Namíbia e depois assistente especial para a África.

Sua experiência em assuntos africanos continuou em 1997, quando foi enviado a Moçambique para ser o número dois da embaixada americana em Maputo. Mais tarde, teve a mesma posição em Uganda e na Bélgica.

Como McKinley é um diplomata de carreira, seu processo de sabatina e aprovação pelo Senado deve transcorrer sem maiores contratempos. A maioria opositora, porém, tem atrasado a aprovação de algumas indicações feitas por Obama por meses, o que torna o timing de aprovação uma incógnita.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir