Sem categoria

Nuvem de fumaça, que atinge Manacapuru há três dias, superlota hospital e suspende aulas

Com a nuvem de fumaça, o hospital da cidade está superlotado - foto: divulgação

Com a nuvem de fumaça, o hospital da cidade está superlotado – foto: divulgação

Os moradores de Manacapuru (a 68 quilômetros de Manaus) estão há três dias com a cidade  encoberta por uma forte camada de fumaça, que está afetando a saúde da população e  superlotando o hospital  com problemas respiratórios. O problema está também atrapalhando o sistema de ensino, onde  aproximadamente 5 mil alunos, nesta terça-feira(6), foram liberados por conta da ocorrência.

O radialista Alberto ZegDeg, que é morador do município, informou que teve que sair de casa com máscaras para se proteger do cheiro forte da fumaça, além da necessidade de proteger os olhos que ficavam irritados.

“Há uns três dias que a fumaça está incomodando os moradores, mas especialmente ontem e hoje cedo, o nevoeiro encobriu tudo. Não dava pra enxergar cem metros na nossa frente,”, relatou ZegDeg.

Conforme informações do Corpo de Bombeiros, uma região do município de Novo Airão (a 115 quilômetros de Manaus) está tomada por focos de queimadas em áreas de vegetação rasteira e também em áreas de floresta, onde árvores robustas e nativas estão sendo atingidas pelas chamas desde a sexta-feira (2).

“Estamos atuando em uma área próxima à Manacapuru, onde existe uma forte queimada  que está se propagando em uma região de vegetação, que é de Novo Airão. No domingo, mais uma  equipe foi deslocada para dar reforço no trabalho de controle das chamas”, disse o tenente Janderson Lopes, que também explicou que no momento, 20 bombeiros, três viaturas e um caminhão pipa atuaram no local.

A indicação do Corpo de Bombeiros, de que a fumaça em Manacapuru seria proveniente das queimadas, em Novo Airão, foram confirmadas pelo  Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).  “Como o vento predominante aqui na região é de nordeste, isto é, sopram de nordeste para sudoeste,  esta fumaça é levada para municípios a sudoeste de Manaus, tais como Iranduba, Manacapuru, Novo Airão, Caapiranga entre outros”, explicou o órgão.

 Ocorrências

Por volta das 10h, uma embarcação com 50 passageiros, que havia saído de Manaus às 6h, com destino a Coari, encalhou nas proximidades do município, em consequência do nevoeiro. Os passageiros foram transferidos para uma outra embarcação. Ninguém ficou ferido.

Conforme o secretário de educação do município, Wellington de Oliveira, das 14 escolas municipais da área urbana, nove precisaram dispensar os alunos, sendo que dessas quatro são de educação infantil. Outras 16 escolas localizadas na zona rural, também foram afetadas e acabaram dispensando os estudantes.

Ainda conforme  Wellington Oliveira,  caso  o problema persista amanhã, as crianças do turno já estão orientadas a não sair de suas casas e, novamente, serão dispensadas das aulas.

A rede estadual também dispensou os alunos do ensino médio em 14 escolas.

Saúde

O diretor do Hospital Geral Lázaro Reis, localizado no bairro São José,  em Manacapuru,  Washington Bezerra, relatou que na segunda (5), cerca de 100 pacientes a mais procuraram atendimento médico com sintomas respiratórios e casos de diarreias com vômito, também provocados pelo forte calor.

”Diariamente são atendidos aproximadamente 50 pacientes, chegando a umas 400 pessoas no decorrer da semana, porém, ontem foram atendidas mais de 100 pessoas e destas 70% eram crianças entre 0 e cinco anos”, informou o diretor do hospital.

Washington Bezerra disse também que os casos de pneumonia aumentaram muito, e que alguns tem sido enviados para Manaus, devido a gravidade do problema são transferidos.

O titular da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), Daniel Guedes Soares informou que a secretaria está realizando campanhas de combate a queimadas junto aos moradores da cidade, principalmente os da zona rural.

Daniel Guedes ressaltou que a falta de consciência dos moradores, principalmente da zona rural provocam incêndios por falta de esclarecimento.

” Infelizmente é um costume, são pessoas que dizem querer fazer um roçado e acabam causando esses desastres. Outro tipo de incêndio é aquele causado por pessoas da cidade, que dizem queimar pouco lixo e acabam perdendo o controle”, disse o secretário.

Soares disse ainda que a pasta está atuando com palestras em conjunto com Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar, além de contar com o apoio do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) nas ações.

 

Por Conceição Melquíades

 

 

1 Comment

1 Comment

  1. Kate Anne de Sousa maia

    18 de outubro de 2015 at 04:18

    Precisamos de dicas para nos proteger contra a fumaça que acomete Manaus .
    Principalmente a noite .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir