Sem categoria

Número de consumidores inadimplentes aumenta 3,38% no Amazonas

As mulheres são 55% das devedoras do comércio, contudo, o tempo delas para quitarem as dívidas é menor em relação aos homens – foto: Alberto César Araújo

As mulheres são 55% das devedoras do comércio, contudo, o tempo delas para quitarem as dívidas é menor em relação aos homens – foto: Alberto César Araújo

A quantidade de amazonenses em situação de inadimplência no comércio de Manaus cresceu 3,38% em relação ao mesmo período do ano passado.

Levantamento realizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL) aponta que o total de 12.863 amazonenses entrou para a lista de devedores do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Em 2014, no mesmo período o número de  inadimplentes alcançou a marca de 12.442 devedores.

De acordo com o presidente da CDL Manaus, Ralph Assayag, o percentual de 55% dos inadimplentes são do rupo de mulheres entre 20 e 30 anos.  O dirigente explicou que as mulheres compram muito mais que os homens e por isso aparecem como média maior de devedoras. No entanto, na hora de pagar os boletos, elas demoram menos. “Os homens se endividam menos, porém acabam demorando mais a pagar. Eles levam de 120 a 140 dias”, explicou.

Ainda segundo o dirigente, a inadimplência presente no mercado não tem relação direta com a tão falada crise econômica que assombra os brasileiros. Ralph ressalta que o baixo volume de vendas registrado pelos lojistas da capital, se deu principalmente pelo aumento significativo de lojas no comércio.

“O comércio recebeu um número nunca registrado antes no Amazonas de novos estabelecimentos. Ao todo são mais 600 lojas que vem para oferecer concorrência e com isso existe sim uma aparente queda no movimento”, observa o dirigente.

Ralph Assayag explica ainda que a única saída para reverter essa dispersão dos clientes é a fidelização através de qualificação no atendimento. De acordo com o presidente do órgão, o número de demissões no comércio é muito baixo, e que a maior parte das demissões ocorrem pela não adequação do funcionário ao cargo do que por corte no quadro de funcionários.

“Apenas 223 pessoas foram demitidas no comércio por não se adequar a nova realidade do mercado, é necessário que o lojista invista mais na qualificação dos seus funcionários assim como na infraestrutura de sua loja, com isso ele com certeza ira fidelizar mais clientes e melhorar as vendas”, finalizou.

Por equipe Jornal EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir