Mundo

Novos combates põem em dúvida acordo de EUA e Rússia para a Síria

Um ataque a um mercado em Idlib e o registro de combates entre tropas do governo e rebeldes em Aleppo neste sábado (10) colocam em xeque a possibilidade de vigorar o acordo selado entre EUA e Rússia que prevê um cessar-fogo em toda a Síria a partir desta segunda-feira (12).

Em Idlib, controlada pelos rebeldes, um avião a jato atacou um mercado movimentado. Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, ao menos 24 pessoas morreram. Moradores e equipes de resgate relatam que outras dezenas ficaram feridas, incluindo mulheres e crianças.

Os habitantes afirmam acreditar que o jato era russo. De acordo com eles, a altitude de voo das aeronaves de Moscou é alta, ao contrário dos helicópteros usados pelo governo sírio.

Em Aleppo, segunda maior cidade do país e principal foco de disputa entre as tropas do ditador Bashar al-Assad e os rebeldes, mais confrontos foram registrados neste sábado.

“Os combates estão ocorrendo em todas as frentes do sul de Aleppo, mas os confrontos em Amiriyah são os mais pesados”, disse o capitão Abdul Salam Abdul Razak, porta-voz militar das brigadas rebeldes Nour al-Din al Zinki.

OPOSIÇÃO

A oposição política moderada ao regime de Bashar al-Assad na Síria disse, neste sábado (10), que não recebeu uma cópia do cessar-fogo selado com a participação dos Estados Unidos e Rússia na sexta (9).

A coalizão afirma que só vai reagir depois de consultar seus membros, alguns dos quais expressaram ceticismo sobre a trégua.

Uma porta-voz do Alto Comitê de Negociações, que é sediado em Riad, capital da Arábia Saudita, havia dito previamente que qualquer acordo que poupe a vida de civis é bem-vindo. Entretanto, também colocou em dúvida a capacidade da Rússia de pressionar o governo sírio, aliado de Putin na região, a parar com os bombardeios.

Além de determinar a suspensão no enfrentamento entre os rebeldes e as tropas leais a Assad, o acordo entre Washington e Moscou sela um compromisso de atuação conjunta contra forças terroristas da região, como o Estado Islâmica, a Al Qaeda e a fação Al Nusra.

Neste ano, já é a segunda tentativa de negociar a paz na Síria. Um acordo fechado em 27 de fevereiro não teve sucesso na tentativa de avançar o diálogo entre governo e oposição.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir