Sem categoria

Novo Tesc promete abrigar melhor as atividades voltadas para Arte e Cultura em Manaus

PLATEIA_TESC

“O Tesc não é de alvenaria”. O diretor do Teatro Experimental do Sesc (TESC), Márcio Souza, definiu assim a situação do Tesc no período de reformas, com duração de 2 anos e seis meses, no prédio do Serviço Social do Comércio (Sesc), na rua Henrique Martins, no centro da capital.

Márcio Souza afirma que, mesmo não sabendo onde o elenco vai ensaiar, os trabalhos continuam e não há problemas quanto a ensaios, pois o espetáculo já está há muito tempo preparado. “Na verdade, estamos com o espetáculo pronto, e isso não exige muito ensaio, é um espetáculo que já está há 2 anos e meio em cartaz, com muitos pedidos. O elenco vai apenas passar no dia e no local de uma apresentação, antes de começar o espetáculo”, afirma o dramaturgo amazonense, que pretende manter o mesmo espetáculo até o fim do ano, para que não haja necessidade de ensaios complexos.

Segundo Márcio, o prédio do Sesc na rua Henrique Martins, que era um exemplo de arquitetura em Manaus, vai ser restaurado como era em 1949. O escritor disse ainda que as dependências do prédio já começaram a ser demolidas, e será construído um estacionamento para 150 lugares.

Márcio afirmou que todos os materiais como, figurino, cenário, materiais de esculturas e para pinturas foram devidamente embalados e guardadas no balneário do Sesc, no anfiteatro, divididos em salas.

Para o escritor, essa reforma será o maior investimento público e privado para um espaço dedicado à arte e à cultura no Estado. “A parte de alvenaria onde se concentrava toda a atividade cultural, inclusive o Tesc, está sendo demolida para dar lugar a estruturas muito boas que, com certeza, trarão melhorias culturais para o Amazonas”, explica.

As obras do Sesc trazem algumas novidades. Em conjunto com essa reforma há outros investimentos em estrutura para ajudar a desenvolver a cultura na cidade de Manaus. No Sesc será construída, ainda, uma galeria de artes de quatro metros de altura onde poderão ser exibidas grandes esculturas.

O chamado “teatrinho do Sesc”, que é considerado um patrimônio, será restaurado como ele era em 1968. A diferença nele serão os equipamentos modernos e que o teatro vai poder comportar cem espectadores. Além disso, está previsto nas obras que seja construída uma sala de cinema de cem lugares e uma biblioteca pública, com mídias digitais e os livros convencionais. O projeto prevê que outro teatro para 400 lugares também será construído.

De acordo com Márcio, há intenções de que em novembro o Sesc irá inaugurar um teatro de arena e até lá o Tesc pretende estrear um novo espetáculo chamado “Tartufo”. O espetáculo se trata de uma comédia de Molière que fala sobre um falso religioso, que usa a religião para explorar os outros. “Isso é um tema que está bem em vista no momento”, ressalta o diretor teatral.

Márcio lembra que outra obra está em andamento em Manaus.  “É um centro social que está sendo construído próximo à bola do Produtor. Vai ter um teatro para 400 lugares, um cinema e uma quadra de esportes. A prefeitura está fazendo o prédio e o Sesc vai ficar com ele e montar toda a estrutura”.

Uma grande construção está prevista em meio às obras. O Sesc vai construir a réplica do teatro The Globe, de Shakespeare, baseado em uma réplica que há em Londres.  Márcio Souza disse que o Tesc vai fazer circuitos e abrir espaço para a classe teatral de Manaus.

Detonando

O “Sábados detonados” era uma espécie de crônica das atividades políticas e sociais da cidade e do Brasil. O elenco do espetáculo era quem ficava incumbido de preparar os textos. Após seis anos de apresentações, que levavam grandes públicos ao teatro do Sesc, o projeto foi encerrado. “Nós não trabalhávamos por fins lucrativos, era mais pelo lado artístico”, diz Márcio, ressaltando que sempre há possibilidade de voltar. “Nós fizemos durante 6 anos, quando apareceu uma praga chamada “stand up comedy”. O elenco gostava de fazer, mas chega o momento que não vale a pena insistir, chega a ser fatídico. Mas quem sabe voltamos”, completa.

Por Asafe Augusto

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir