Sem categoria

Nova proposta sugere avaliar metas de redução de poluentes já em 2018

Presidente da COP21 apresenta novo esboço de acordo com 29 páginas - foto: reprodução

Presidente da COP21 apresenta novo esboço de acordo com 29 páginas – foto: reprodução

Uma proposta feita pela França na COP21 (Conferência do Clima), nesta quarta-feira (9), deu alguns pequenos passos para diminuir divergências entre países ricos e pobres.

O texto propõe uma análise já em 2018, ainda que branda, das metas de redução de poluentes de cada país, mas essa provisão ainda pode cair até o final da cúpula.

O documento, espécie de “esqueleto” do possível acordo, foi patrocinado pelo presidente da COP21, o chanceler francês Laurent Fabius, após dois dias de consultas e negociações entre as delegações de 195 países.

A proposta precisa passar pelo crivo dos ministros presentes e qualquer impasse pode levar a atrasos em sua adoção pelo plenário da COP, oficialmente marcada para sexta-feira (11) à noite.

Anfritrião da conferência, o governo francês tem pressa em chegar a um consenso dentro do prazo oficial.

A grande questão é quão fortalecido será o documento para realmente cumprir a meta de limitar o aquecimento global a 2ºC.

Pela sugestão francesa, fica mais evidente que caberá aos países desenvolvidos a tarefa de bancar financeiramente os mais pobres a partir de 2020 com ao menos US$ 100 bilhões por ano.

A colaboração dos emergentes seria “voluntária”, diz o trecho sugerido, buscando solucionar um dos principais impasses dos bastidores. Para se comprometer com mais dinheiro, os ricos, sob liderança dos Estados Unidos, querem a sinalização de que países em desenvolvimento também poderão engrossar a base de doadores.

“Temos de buscar um acordo ambicioso, que facilite as coisas, que diferencie o papel de cada um, mas que também reconheça a capacidade de todos”, afirmou o secretário de Estado americano, John Kerry.

Ele anunciou na COP21 um aumento de US$ 400 para US$ 800 milhões por ano, até 2020, para a adaptação dos países pobres aos prejuízos climáticos.

Kerry afirmou que não é hora de “apontar os dedos” para culpados e destacou que o impacto ambiental se reflete não só em regiões mais pobres, mas em “todos os lugares” do planeta.

Revisão

A nova proposta de acordo da COP21 diz ainda que os países se encontrariam entre 2018 e 2019 para debater os progressos obtidos em relação às suas ambições, as chamadas INDCs.

Nada garante, porém, que o item não se perca na nova rodada de negociações que começou na noite desta quarta-feira.

Um balanço para revê-las de fato ocorreria, no entanto, somente entre 2023 e 2024 -e, a partir de então, a cada cinco anos. Não haveria, porém, nenhum compromisso de cada parte em fortalecer seus compromissos mesmo que estejam atrasados.

A revisão de metas a cada cinco anos é uma posição defendida por países como o Brasil e os EUA, mas encontra resistência, por exemplo, nos governos chineses e indiano, justamente por causa de eventual vínculo para que sejam obrigatoriamente melhoradas.

“As questões políticas estão claramente identificadas, mas temos ainda muito trabalho a fazer”, afirmou Fabius.

Negociadores relatam que as resistências de diversas partes a pontos do documento podem arrastar sua votação para o fim de semana. O objetivo dos franceses é evitar que a COP21 se transforme no fracasso político da conferência de Copenhague, de 2009, quando os líderes não conseguiram chegar a um consenso.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir