Sem categoria

Nova eleição para conselheiros tutelares deve acontecer no dia 8 de novembro

Alguns candidatos reivindicavam a contabilização dos votos - foto: Arthur Castro

Alguns candidatos reivindicavam a contabilização dos votos – foto: Arthur Castro

Deverá ser realizada no próximo dia 8 de novembro a nova votação para eleger os conselheiros tutelares em Manaus. A data está sendo estudada pelo colegiado do Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), conforme o Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM). Por conta das várias irregularidades observadas durante a eleição neste domingo (4), o pleito foi impugnado.

Os 166 candidatos aos cargos de 45 conselheiros titulares e 45 suplentes, se reuniram nesta segunda-feira (5), na sede do MP-AM e formaram uma comissão que deve entrar com uma representação na corregedoria do órgão pelo afastamento das promotoras Lílian Stone e Vânia Marinho, que fiscalizaram os locais de votação, além de pedir a saída da presidente do CMDCA, Gecilda Albano.

O candidato e representante da comissão, João Furtado, citou que um dos motivos para pedir o afastamento dos agentes fiscalizadores é que o MP-AM estava atuando como gerenciador e interferindo na votação, papel que deveria ser feito pelo CMDCA e que a anulação da eleição foi um ‘atestado de incompetência’ do próprio Conselho, visto que o cancelamento ocorreu depois que Ministério Público comunicou que tomaria medidas judiciais.

“Em todas as reuniões que foram formadas, durante a realização do pleito, o Ministério Público atuou não como fiscalizador e sim como gerenciador, deliberando e puxando a responsabilidade para si, quando isso é de competência do CMDCA. O Conselho acabou assinando um atestado de incompetência”, disse Furtado.

Alguns candidatos reivindicavam a contabilização dos votos, já que as urnas estavam armazenadas no auditório do MP-AM, mas o órgão informou que as cédulas eleitorais serão incineradas por conta da nova eleição. Albeir Lobo, candidato na Zona Oeste, enfatizou que a comissão eleitoral do CMDCA teve tempo para os preparativos da eleição e por isso os candidatos não devem se submeter a uma nova eleição causada pela desorganização do Conselho.

“Então eu sou a favor que não acabem o pleito, que a eleição possa ser finalizada hoje e os votos apurados. A votação foi excelente, o único problema foi com os cadernos eleitorais, visto que teve gente que chegou para votar e não conseguiu. Os mesários não tiveram paciência para procurar os nomes”, falou Lobo, acrescentando que, se houver o cancelamento, os candidatos terão que dispor mais recursos próprios para uma nova campanha.

Já a candidata pela Zona Norte da capital, Rosângela Macedo, disse ser a favor da anulação, citando que assim como ela não conseguiu votar em si mesma, muita gente deixou de exercer sua cidadania nas urnas.

“A minha zona, onde sei que tenho um alto percentual de votos, não estava funcionando. Eram pouquíssimas escolas da Zona Norte. Então sou a favor sim, quero que seja anulada e mais, quero que tanto a presidente do CMDCA seja afastada como as promotoras, para que isso não aconteça novamente”, afirmou Macedo.

A nova data para a eleição será conformada durante reunião que acontece no fim da tarde de hoje.

Por Cecília Siqueira

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir