Dia a dia

Nova ameaça de bomba: suposto objeto explosivo é encontrado em frente à Junta Militar em Manaus

A área em torno de onde o material foi encontrado foi toda isolada - foto: divulgação

A área em torno de onde o material foi encontrado foi toda isolada – foto: divulgação

Um suposto artefato explosivo foi encontrado na manhã desta segunda-feira (11) em frente Junta de Serviço Militar do Exército Brasileiro, na avenida São Jorge, Zona Oeste de Manaus, próximo aos Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs).

De acordo com informações de testemunhas, o material suspeito estava dentro de uma mochila preta e a área em torno de onde o material foi encontrado foi toda isolada.
O Grupo de Grupamento de Manejo de Artefatos Explosivos (Marte) foi ao local para realizar a neutralização do suposto explosivo.

O trânsito na avenida foi interditado na praça do Cigs até a altura da rua senador Cunha Melo. Agentes do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) estiveram no local para orientar os condutores que trefegam pela área.

Conforme o departamento de comunicação do Cigs, mesmo com a ameaça do suspeito explosivo, as atividades não foram suspensas dentro do Centro.

O material foi neutralizado por volta de 11h45 com a ajuda de um robô.

Recorrentes
Nos últimos dias, várias ocorrências envolvendo suspeitas de bomba foram registradas em Manaus. No dia 28 de junho, o grupamento foi acionado para verificar uma bomba caseira no pátio da paróquia São Pedro, bairro Petrópolis, na Zona Centro-Sul.

Outra suspeita de bomba em igreja foi registrada no dia 3 deste mês. O Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) acionou a polícia sobre o suposto artefato deixado na entrada da igreja São Felipe, na rua Arthur Reis, bairro Santo Antônio, Zona Oeste.

Já na última sexta-feira (8), foram feitos dois registros, sendo na rua Lobo D´Almada, no Centro da capital, quando um suposto artefato teria sido deixado na calçada da via, e outro na Zona Centro-Sul da cidade.

Era por volta de meio-dia de sexta quando o Marte foi acionado novamente para outra ocorrência, dessa vez um suposto explosivo havia sido deixado em baixo das escadarias que dá acesso a passarela em frente ao supermercado Carrefour de Flores.

Devido à ameaça de bomba, o trânsito também ficou complicado na cidade, alguns trechos das avenidas Mario Ypiranga e Djalma Batista foram interditadas.

Na ocasião, o capitão Mesquita Feitosa, do grupo Marte, ressaltou que ocorrências como essas não são comuns e que todos os procedimentos são realizados para que não ocorram transtornos à população que trafega pela área, assim como aos moradores que residem em locais próximos onde esses materiais são encontrados.

“Geralmente, quem descobre ou encontra esses possíveis artefatos são moradores ou funcionários de empresas. Quando eles encontram objetos estranhos em ambiente que estão acostumados, acionam a Polícia Militar, e os nossos policiais estão preparados para, ao perceberem esses objetos, acionarem de imediato nossa equipe que é treinada para atuar em locais e ambientes com explosivos”, concluiu Mesquita Feitosa.

Por Mara Magalhães

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir