País

Norte e Nordeste concentram 90% das mortes de ativistas em 2016

As regiões Norte e Nordeste concentraram cerca de 90% dos assassinatos de ativistas dos direitos humanos em 2016, aponta levantamento realizado pelo Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos, entidade que reúne entidades sociais e organizações não-governamentais.

O estudo, apresentado nesta terça-feira (4) em Marabá (PA) e batizado “Vidas em Lutas: criminalização e violência contra defensoras e defensores de direitos humanos no Brasil”, aponta que 66 ativistas foram mortos no ano passado.

O número representa um aumento de 32% em relação a 2015, quando foram registrados ativistas assassinados.

Dos 66 casos registrados no ano passado, 40 mortes foram registradas em conflitos agrários, 11 em disputas por territórios indígenas e três por áreas quilombolas. Também há casos de assassinatos de jornalistas, líderes comunitários urbanos e militantes da causa LGBT.

O Estado de Rondônia foi o que registro mais mortes, 19 ao todo, seguido do Maranhão com 15 e do Pará com seis e Bahia com quatro.

No caso dos Estados no Norte, a maioria das mortes foi decorrente de conflitos com grileiros de terras e madeireiros. Foi o caso do assassinato do trabalhador rural Ronair José de Lima, morto em emboscada próximo à ocupação do Complexo Divino Pai Eterno, em São Félix do Xingu, em fevereiro de 2016.

O estudo considera como defensor dos direitos humanos “pessoas físicas que atuam isoladamente, pessoa jurídica, grupo, organização ou movimento social que atue ou tenha como finalidade a promoção ou defesa dos direitos humanos”, de acordo com definição da ONU.

João Pedro Pitombo
FolhaPress

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir