Política

Nomeação de Lula busca estabilidade institucional, diz AGU ao Supremo

Sobre os questionamentos de que a nomeação teria objetivo de favorecer o ex-presidente na Operação Lava jato, o órgão diz que a conclusão não passa de uma ilação - foto: divulgação

Sobre os questionamentos de que a nomeação teria objetivo de favorecer o ex-presidente na Operação Lava jato, o órgão diz que a conclusão não passa de uma ilação – foto: divulgação

Em mais uma ação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu hoje (22) a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cargo de ministro da Casa Civil. De acordo com a AGU, a nomeação de Lula teve objetivo de buscar a estabilidade institucional e não favorecer o ex-presidente, conforme decidiu o ministro Gilmar Mendes.

Na petição – uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (APDF) – o órgão diz que Lula tem reconhecidos atributos de articulação política e não há impedimentos legais para sua posse. “Trata-se, pois, de uma escolha natural e válida, dentro da margem de liberdade de decisão administrativa e dos limites legais, a fim de se colaborar com o governo mediante o assessoramento e coordenação em tela. Esta é a finalidade buscada pelo ato, inteiramente conexa com o interesse público relacionado à estabilidade institucional”, argumenta.

Sobre os questionamentos de que a nomeação teria objetivo de favorecer o ex-presidente na Operação Lava jato, o órgão diz que a conclusão não passa de uma ilação.

“Tal ilação, quanto a um efeito secundário e incerto do ato impugnado – a ser dirimido por ocasião dos processos específicos – adota pressuposto de que essa Suprema Corte seria leniente, menos capaz ou eficaz do que qualquer juízo inferior no processamento e julgamento das ações penais originárias, como que um locus [lugar] para proteção e impunidade.”

A manifestação da AGU foi feita nas duas primeiras ações em que o PSB e o PSDB questionaram a posse de Lula. Elas são relatadas pelo ministro Teori Zavascki. A decisão de Mendes, que barrou a posse de Lula, foi proferida em outras duas ações protocoladas pelo PSDB e pelo PPS.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir