Mundo

No México, papa lamenta exclusão social e exploração de indígenas

Francisco celebrou a missa nas três principais línguas nativas da região - foto: reprodução

Francisco celebrou a missa nas três principais línguas nativas da região – foto: reprodução

O papa Francisco denunciou nesta segunda-feira (15) a exploração e a exclusão social dos indígenas do México durante séculos, afirmando que o mundo, em vez disso, deveria ter aprendido com a cultura indígena e seu profundo respeito pela mãe natureza.

“Muitas vezes, de modo sistemático e estrutural, seus povos (indígenas) não foram compreendidos e foram excluídos da sociedade. Alguns consideraram inferiores seus valores, sua cultura e suas tradições”, disse o pontífice em San Cristóbal de las Casas.

“Que tristeza! Que bem nos traria fazer um exame de consciência e aprender a dizer: Perdão!”, afirmou.

As declarações foram feitas pelo pontífice durante uma visita bastante simbólica ao Estado de Chiapas, no sul montanhoso do México, centro da cultura indígena.

Francisco celebrou a missa nas três principais línguas nativas da região graças a um novo decreto do Vaticano que autoriza seu uso, numa tentativa de estancar uma onda de conversões protestantes.

Em sua homilia, o primeiro papa latino-americano da história tocou em duas de suas principais preocupações: a apreciação da cultura indígena das Américas e a necessidade de cuidar do ambiente.

“O desafio ambiental que vivemos, e suas raízes humanas, nos impactam a todos e nos interpelam. Não podemos mais manter o silêncio perante uma das maiores crises ambientais na história mundial”, disse, acrescentando: “Nesse sentido, vocês têm muito a nos ensinar”.

Assolado pela pobreza e pela insegurança crescente, o Estado de Chiapas foi o cenário do levante zapatista de rebeldes maias nos anos 1990, e atualmente é a linha de frente da repressão governamental à imigração ilegal aos EUA a partir da América Central.

Quando os zapatistas irromperam em cena, mais de dois terços da população de Chiapas era de católicos.

Desde então, a expansão do cristianismo evangélico nas cidades indígenas pobres reduziu essa cifra para cerca de 60%, tornando-a a região menos católica do país.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir