Sem categoria

No Jorge Texeira, criança em cárcere privado comeu as próprias fezes para não morrer de fome

Menina ficou trancada em quarto  por dois dias, e para sobreviver comia as próprias fezes - foto: divulgação

Menina ficou trancada em quarto por dois dias, e para sobreviver comia as próprias fezes – foto: divulgação

Uma avó de 44 anos e seu companheiro, um pintor de carros, foram presos pela Polícia Militar (PM), no fim da tarde de hoje (3), suspeitos de abandonar e manter em cárcere privado uma menina de 5 anos de idade, durante dois dias, dentro do quarto de uma residência, localizada no bairro Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus.

De acordo com a polícia, a criança só não morreu de fome e sede porque comeu as próprias fezes e bebeu a urina. A menina deu entrada no hospital e pronto-socorro Joãozinho, na Zona Leste onde foi internada, e após apresentar melhora clínica teve alta na tarde deste domingo, e foi entregue ao Conselho Tutelar da Zona Leste 2.

Conforme os relatos de moradores à Polícia Militar, os vizinhos escutaram o choro de uma criança saindo de dentro de um dos quartos da casa. Eles resolveram entrar no imóvel pelo telhado para saber o que estava acontecendo. Ao entrar na residência se depararam com a criança agonizando em cima de um lençol e toda suja de fezes. “A menina apresentava fezes em seu rosto, o que deu indícios de que ela comeu para não morrer de fome e bebeu também a própria urina”, relatou o soldado da 30ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), Temilson Aguiar.

No quarto onde a criança estava trancada, a polícia encontrou restos de fezes, um copo com canja e um recipiente de ketchup, que era utilizado como uma mamadeira de água, sacos de bolachas recheadas e um lençol onde a menina provavelmente dormia.

Os responsáveis pela criança só foram detidos pela polícia, após retornarem para a residência. “Os vizinhos ficaram revoltados com o caso e ligaram para o 190 informando que o casal havia retornado para casa. Quando chegamos ao local eles não estavam nem preocupados com o sumiço da criança”, informou o soldado da polícia militar.

Moradores afirmaram à polícia que a avó ganhou a guarda da neta, após a Justiça confirmar que a mãe da menina é dependente química de alto grau.

O casal foi encaminhado à Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), no bairro Planalto, Zona Oeste de Manaus, onde foi aberto um inquérito policial, para investigar o caso. Caso as denúncias sejam comprovadas, eles responderão pelos crimes de maus-tratos, abandono de incapaz e cárcere privado.

Na delegacia, o pintor informou que saiu de casa para buscar dinheiro, na residência de sua mãe, na Zona Norte, mas desconhecia o fato da avó deixar a criança trancada em casa. “Nós ficamos o sábado e domingo na casa da minha mãe. No entanto, não sabia que ela tinha deixado a neta trancada em casa”, disse.

O casal

O casal foi encaminhado à Depca, caso as denúncias sejam comprovadas, eles responderão pelos crimes de maus-tratos, abandono de incapaz e cárcere privado – foto: divulgação 

 

Por Equipe EM TEMPO Online

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir