Mundo

Naufrágio próximo à ilha grega deixa dez mortos, entre eles uma criança

Três pessoas morreram neste domingo (13), entre elas uma criança, no naufrágio de uma embarcação com refugiados próximo à ilha grega de Farmakonisi, no mar Egeu, perto do litoral da Turquia.

Segundo a Guarda-Costeira grega, após receber um alerta de auxílio, foi acionada uma operação que permitiu resgatar do mar 68 pessoas, enquanto outras 29 conseguiram chegar nadando à praia de Farmakonisi.

É o terceiro naufrágio com mortos durante o fim de semana. No sábado (12), quatro menores desapareceram depois que uma embarcação de plástico virou nas proximidades de Samos.

A primeira-ministra interina Vassiliki Thanou classificou as críticas à Grécia, que é uma das linhas de frente na onda de imigrantes que tentam chegar à Europa, como ” inaceitáveis” .

“A Grécia tem aplicado rigorosamente tratados europeus e internacionais sem ignorar a questão humana “, disse ela em uma visita a Lesbos, uma das ilhas que tem visto um fluxo grande de refugiados.

A onda de imigração que atinge a Europa foi motivo de várias manifestações no continente.
Portugal, Grécia, Polônia e Hungria, entre outros, tiveram atos a favor e contrários à acolhida de refugiados e imigrantes, após a União Europeia determinar a cada país que receba um determinado número de refugiados.

O número é calculado levando em consideração a situação econômica do país e o número de refugiados já acolhidos.

Soluções de emergência
Na Alemanha, o governo do Estado da Baviera, no sul do país, reúne-se neste domingo de forma para buscar soluções de emergência para atender aos milhares de refugiados que seguem chegando.

Segundo números fornecidos pela polícia, apenas no último sábado chegaram à estação central de Munique, a capital bávara, 12.200 solicitantes de asilo, aos quais se somaram outros 750 no começo da manhã deste domingo.

O prefeito de Munique, Dieter Reiter, disse que a cidade não tem condições de alojar todas as pessoas que chegam. As organizações humanitárias que colaboram na primeira acolhida fizeram um apelo à população para que doassem sacos de dormir e colchões.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir