País

Música on-line alcança 76% dos internautas brasileiros, diz pesquisa

O estudo coletou hábitos de consumo de mais de 2.000 internautas em março deste ano - foto: divulgação

O estudo coletou hábitos de consumo de mais de 2.000 internautas em março deste ano – foto: divulgação

Alavanca da recuperação do mercado fonográfico mundial, o consumo de música digital já alcança 76% dos brasileiros que usam a internet, mostra um levantamento do Conecta, braço de pesquisa on-line do Ibope.

O estudo coletou hábitos de consumo de mais de 2.000 internautas em março deste ano.

Entre os que ainda não aderiram a plataformas de streaming, como YouTube, Spotify e iTunes, a maioria é homem, com idade acima de 55 anos e pertencente à classe B.

Um relatório da Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI) divulgado nesta terça-feira (12) mostrou que a indústria global de música cresceu pela primeira vez em dez anos em 2015. O resultado já era esperado desde 2014, quando o mercado mostrou estagnação, revertendo uma queda nos lucros que vinha desde 2005.

É ainda a primeira vez que as receitas digitais (US$ 6,7 bi) superam as vendas físicas (US$ 5,8 bi) mundialmente.

Os resultados positivos, porém, estão longe de pôr fim a uma briga que envolve os players de música on-line, gravadoras e artistas.

Alguns dos nomes mais poderosos do pop -estão na lista Adele e Taylor Swift- reclamam que empresas como Spotify e Deezer rendem pouco em direitos autorais e não divulgam com clareza quais são as regras de remuneração.

No Brasil, a discussão é encampada pela Associação Procure Saber, de Gilberto Gil e Chico Buarque e outros, e o GAP (Grupo de Ação Parlamentar Pró-Música).

Empresas que oferecem bancos de músicas pela internet, a soma da receita de publicidade e assinaturas pagas (as mais populares custam cerca de R$ 15) ainda é insuficiente para bancar o negócio.

Os mais ouvidos

Empresas como Google e Apple não divulgam o número de usuários de seus players de música em cada país. Na pesquisa, a Conecta levantou quais são as plataformas mais usadas pelos internautas brasileiros.

Google Play Music lidera: 32% dos entrevistados disseram usar o serviço. Em seguida, aparecem Spotify (19%) e iTunes, da Apple (15%).

De 2014 a 2015, as assinaturas de streaming em serviços como Spotify, Rdio e Deezer aumentaram de 41 milhões para 68 milhões, segundo a IFPI. A instituição estima que as receitas do setor aumentaram em 45% no mundo e em 192% no Brasil.

As vendas de CDs e DVDs no Brasil diminuíram em 19,3% no ano passado, enquanto as vendas digitais, que incluem streaming, downloads e telefonia móvel cresceram 45%.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir