Cultura

Museu do Seringal ganha selo de excelência de site

Localizado às margens do igarapé São João, na zona rural, o Museu do Seringal Vila Paraíso exibe elementos da época do Ciclo da Borracha – foto: divulgação

Localizado às margens do igarapé São João, na zona rural, o Museu do Seringal Vila Paraíso exibe elementos da época do Ciclo da Borracha – foto: divulgação

O Museu do Seringal Vila Paraíso (projeto cultural e turístico do governo do Amazonas, via Secretaria de Cultura) acaba de conquistar o Certificado de Excelência do TripAdvisor, que premia os estabelecimentos do setor de turismo que sempre oferecem um serviço de alta qualidade, avaliado no site pelos viajantes.

O prêmio é resultado do trabalho contínuo desenvolvido pela Secretaria de Cultura de motivação dos seus profissionais, no mais alto padrão de prestação de serviços. “Ficamos honrados com o reconhecimento atribuído por nossos visitantes. Uma prova concreta que estamos no caminho certo. Vamos continuar trabalhando para seguir oferecendo sempre o melhor para os nossos turistas e nossa população”, ressalta o secretário de Cultura, Robério Braga.

Localizado às margens do igarapé São João, na zona rural de Manaus, o acesso é somente por via fluvial. Para chegar ao museu, o visitante tem como opção pegar uma lancha táxi no Flutuante da Acamdaf – na marina do Davi (final da avenida Coronel Teixeira, s/nº).

O museu funciona de terça a domingo, das 9h às 16h. A entrada custa R$ 5 (inteira), crianças até 10 anos, idosos acima 60 anos, pessoas com deficiência, moradores da comunidade e escolas públicas não pagam.

Criado originalmente para servir de set de filmagens do filme “A selva”, dirigido por Leonel Vieira, inspirado na obra do escritor português Ferreira de Castro, o espaço foi inaugurado no dia 16 de agosto de 2002. O projeto turístico e cultural mostra a era de ouro do Ciclo da Borracha e oferece uma visão da situação dos seringais naquela época.

É formado por ambientações de época – Ciclo da Borracha – com móveis e utensílios que testemunham a riqueza dos seringais, quando a borracha estava no auge de sua valorização econômica.

Fazem parte do roteiro de visitação: trapiche; barracão de armazenamento das pelas de borracha; casarão do seringalista; barracão de aviamento; capela de Nossa Senhora da Conceição; banho das mulheres; trilha das seringueiras; casa do seringueiro; tapiri de defumação da borracha; cemitério cenográfico; estrebaria; casa de farinha; e barracão dos seringueiros.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir