Dia a dia

Mulher acusada de matar namorado em ato sexual tem redução de pena em RO

 Mulher é acusada de matar namorado durante ato sexual – Foto: Facebook

A acusada Vânia Basílio Rocha, condenada a 13 anos de prisão por matar o ex-namorado a facadas durante ato sexual, teve a pena diminuída para 8 anos e 4 meses de reclusão em Vilhena (RO). A mudança na sentença ocorreu após a defesa dela entrar com recurso no Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO). Ao ser presa, a moça disse que queria matar alguém e por isso teria assassinado o ex-namorado.

Após o julgamento, o defensor público George Barreto Filho entrou com recurso no TJ-RO, pedindo para que a pena da jovem fosse reavaliada, solicitando que partisse da pena-base de 12 anos, e não de 20 anos, como foi fixada no julgamento. Com a decisão, Vania deve ficar presa no regime fechado pelo período de 2/5 da pena, e depois vai progredir para o regime semiaberto.

Cumprimento da pena

Vânia está presa há 1 ano e 5 meses. Ela deve ficar presa por um pouco mais de 3 anos. Porém, ela pode sair antes disso, pois participa de atividades de remissão de pena. Ela já cumpriu 1 ano e 7 meses da pena, estuda e faz artesanato. Conforme a direção do presídio feminino, para cada 12 horas de estudo, ela diminui um dia na pena. Para cada três dias trabalhados, ela também tem um dia a menos de prisão.

Ainda conforme a direção, Vânia, agora com 20 anos, passa por acompanhamento médico, está em uma cela com mais cinco presas, e tem apresentado comportamento normal.

Recurso contra decisão

Hora depois de ser presa, em dezembro de 2015, Vânia confessou o crime. Ela contou que no dia 30 de dezembro ligou para Marcos alegando que queria se despedir, pois iria embora para outro estado.Ela então colocou uma faca de cozinha dentro da bolsa e foi para a casa da vítima, que havia aceitado receber a visita. Ela assassinou o namorado durante as preliminares sexuais.

“Eu tapei o olho dele. Aí peguei a faca e meti nele. Ele reagiu e veio para cima de mim e eu fui para cima dele também. Eu enforquei ele e aí comecei a meter [facadas] em outras partes do corpo dele. Daí, ele gritou socorro e a porta estava trancada. O irmão dele quebrou a janela. Quando o irmão dele entrou, ele já estava quase morrendo. Fiquei olhando olho no olho até ele morrer”, narrou Vânia.

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que Marcos levou 11 facadas, no pescoço, abdômen, braços, mão e pernas. Segundo a Polícia Civil, a perfuração de faca no pescoço foi a que causou a morte do rapaz.

EM Tempo, com agências

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir