Política

MPF pede bloqueio de R$ 544 milhões em bens de empresas envolvidas na Lava Jato

O Ministério Público Federal (MPF) pediu hoje (14) o bloqueio de R$ 544 milhões em bens dos grupos Galvão Engenharia, Camargo Correa e Sanko Sider, além de seus diretores. Os valores são referentes a propinas pagas no esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato envolvendo esses grupos e a Petrobras. Até agora foram quase R$ 700 milhões bloqueados em ações cíveis.


Apenas o grupo Galvão Engenharia e seus diretores tiveram R$ 302 milhões bloqueados. Os grupos Camargo Corrêa e Sanko Sider somam R$ 241 milhões bloqueados. Os réus das ações têm até 15 dias para apresentar “bens livres e desimpedidos passíveis de constrição judicial”.
De acordo com o MPF, os grupos investigados movimentavam, apenas em propina, valores entre 1% e 3% do montante total de contratos bilionários. Os contratos eram assinados após licitações fraudulentas.

Hoje o MPF também denunciou 13 envolvidos no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato. Entre eles, quatro são ex-parlamentares que exerciam mandatos no Congresso durante o período de envolvimento com o esquema ilícito.

De acordo com o procurador da República, Deltan Dallagnol, mais pessoas, inclusive políticos, estão sendo investigadas. “Novas acusações virão em relação a pessoas ainda não acusadas. Empresários, operadores financeiros e outros funcionários públicos serão acusados no futuro, além de outros agentes políticos.”

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir