Esportes

MP classifica como “disparidade absurda” valor dos ingressos para eliminatórias da Copa, na Arena

O pronunciamento do promotor foi feito durante coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (22), na sede do órgão, localizada na Zona Oeste - foto: Márcio Melo

O pronunciamento do promotor foi feito durante coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (22), na sede do órgão, localizada na Zona Oeste – foto: Márcio Melo

O promotor de justiça do Ministério Público do Amazonas (MPE-AM) e titular da 51ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa dos Direitos do Consumidor, Otávio Gomes, classificou como “disparidade absurda” o valor dos ingressos vendidos para o confronto entre Brasil e Colômbia pelas eliminatórias da Copa. O pronunciamento do promotor foi feito durante coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (22), na sede do órgão, localizada na Zona Oeste.

Na noite de ontem (21), a Justiça deu parecer favorável em relação à suspensão da venda dos ingressos para o jogo a ser realizado na Arena da Amazônia. A decisão, sentenciada pela juíza Mônica Cristina Raposo da Câmara Chaves do Carmo, é válida até a próxima segunda-feira (25), quando será feita uma reunião conciliatória, onde o MPE pede à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que o valor do bilhete seja reduzido em 60%.

“Considerando parâmetros utilizados em outros estádios, aqui o valor está muito elevado. Nós temos uma disparidade muito grande, chegando até o limite de 261% a mais em cadeiras similares no Castelão, por exemplo. Não achamos nada plausível que justificasse essas diferenças”, disse Gomes, ressaltando que a CBF apontou que a realização dos jogos na Arena da Amazônia demanda maiores custos por questões de logística e pela utilização do estádio ocorrer de forma esporádica.

A magistrada ainda deferiu em prol da numeração de assentos e a cobrança de taxa nas vendas pela internet de forma unificada, cobrando 16,50% do valor do ingresso.

Reunião conciliatória

O MPE afirma que entende que a CBF apresente contra argumentações para que se mantenha o valor dos ingressos. “Entendemos também que existe uma abusividade na cobrança dos preços e isso contraria o código do consumidor. O mercado é livre, mas não significa que se admita abusos em preços de produtos e serviços”, declarou o promotor.
O órgão estadual não descarta aceitar uma redução no valor do bilhete diferente de 60% para que o confronto entre brasileiros e colombianos não seja transferido da Arena da Amazônia, como há prenúncios.

“Nosso parâmetro é atingir os 60%, mas o código admite acordos e é possível que haja concessões de uma das partes envolvidas. Seria uma retaliação muito grande em relação ao Amazonas”, disse Otávio, ressaltando que o MPE tem mecanismos jurídicos para encontrar uma solução sem optar por uma “medida drástica”, retirando os jogos da capital amazonense.

Por Rosianne Couto

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir