Dia a dia

Movimentos lutam contra projeto ‘Escola sem Partido’

 Os líderes de movimentos afirmaram que caso seja aprovado esse projeto, a sociedade enfrentará um retrocesso nos direitos humanos – foto: Gerson Freitas

Os líderes de movimentos afirmaram que caso seja aprovado esse projeto, a sociedade enfrentará um retrocesso nos direitos humanos – foto: Gerson Freitas

Integrantes da frente estadual contra a aprovação do projeto ‘Escola sem Partido’ realizaram um debate sobre o tema na manhã de ontem (10), no auditório da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua), no campus universitário, no bairro Coroado 1, Zona Centro-Sul, com objetivo de elaborar ações que possam derrubar a medida, considerada por eles como a pior ditadura enfrentada pelo século 21.

Durante o evento, líderes de ao menos 20 movimentos afirmaram que caso seja aprovado esse projeto, a sociedade enfrentará um retrocesso nos direitos humanos. Para eles, a medida é uma mordaça que impedirá qualquer discussão ou manifesto de caráter ideológico nas escolas.

“Vários segmentos estão estudando e discutindo esse projeto há algum tempo. Estudantes, professores e movimentos sociais serão afetados com isso. Estamos nos organizando e acreditamos que somente a participação popular efetiva, o engajamento da sociedade, poderá barrar esse projeto. Enfrentaremos a truculência do Congresso, da polícia, que tentará empurrar à força essa mordaça”, disse o vice-presidente da Adua, Welton Oda.

Em termos de retrocesso, Oda citou como exemplo perdas nas garantias conquistadas contra a violência às mulheres, como a Lei Maria da Penha. Ele ressalta que discussões para a formação de um cidadão mais consciente serão retiradas de sala de aula. Outra questão gira em torno da própria corrupção. Com a aprovação do projeto, abre-se uma lacuna nas lutas de combate a esse problema tão atual e preocupante.

“Os projetos impedem qualquer discussão de caráter ideológico, portanto, denúncias estariam proibidas. Caso a determinação seja desacatada, o professor pode ter a prisão decretada, podendo ser condenado de 1 a 3 anos, pois já tramita também um projeto de lei que altera o código penal, para amparar o ‘Escola sem Partido’. O assunto é sério. Precisamos fortalecer a bancada do giz, para defender as questões educacionais. Todos os professores do campo são contra”, observou.

Hoje (11), a partir das 16h, os movimentos irão realizar novos atos contra a aprovação do projeto. A concentração será na praça Heliodoro Balbi (praça da polícia), no Centro. Na ocasião, será realizada uma aula pública, com o objetivo de expor os riscos que o programa representa para a formação do aluno.

Para os integrantes do movimento Mulheres pela Democracia, a aprovação do projeto fere os direitos humanos, os direitos das mulheres, dos homens e das crianças. E, principalmente, fere o direito da pluralidade, inaugural da condição humana. “Obviamente esse cenário em que estamos prestes a viver vai gerar um retrocesso em relação aos direitos humanos. Por isso, mais uma vez, são as mulheres que assumem o protagonismo de mudança. Cabe a nós uma manifestação, uma postura e uma resistência contra esse tipo de pensamento opressor, que mutila a dignidade humana. Nós, mulheres, temos esse papel fundamental de transformação”, salientou a diretora do movimento, Eglê Wanzeler.

Segundo ela, a questão de partido ou não partido dentro das instituições educacionais não é uma tese de definição legal, é uma questão de escolha humana. Ela afirma que estar em sociedade é adotar, fazer escolhas partidárias e que na medida em que existe uma negação de apresentar essas escolhas por meio de reflexão crítica ou política, o sistema está ferindo aquilo que é uma condição humana fundamental.

“Essa lei vem carregada de um massacre com relação aos aspectos que nos edificam. Temos a liberdade de fazermos escolhas, e essas escolhas são sempre políticas e vão dizer que lugar nós devemos ocupar. Uma ideia de escola sem partido é muito clara, é uma ideia mentirosa e imbecializada, que tenta nos imbecilizar, na medida em que ela nega a pluralidade em benefício de uma única homogeneização. Quando se fala em escola sem partido, queremos falar apenas em um partido. Nessa tese, eu dou o direito ao prefeito de dizer quem sou, o que quero. Isso não existe, isso é uma ilusão, mas ao mesmo tempo é uma realidade cruel. Se isso se consolidar, de fato iremos retornar a uma ditadura, que agride unicamente os direitos humanos e a humanidade”.

Para a estudante de biotecnia Maria Clara Astouf, o “Escola sem Partido” é uma tentativa de calar a classe acadêmica, de forma repressora. “Entendemos isso como um ataque à liberdade de expressão dos estudantes e educadores. O objetivo central de todos esses partidos que tentam aprovar o projeto é de frear as nossas lutas, debates, e fazer com que os estudantes não resistam a esses ataques que eles estão realizando”, avaliou.

Polêmica

O movimento “Escola sem Partido”, que alega representar pais e estudantes contrários ao que chamam de “doutrinação ideológica” nas salas de aulas existe há alguns anos, mas só a partir de 2015 começou a provocar polêmica, em virtude dos projetos de lei que instituem as diretrizes do programa e que tramitam na Câmara dos Deputados (PL 867/2015), de autoria de deputado federal Izalci (PSDB-DF); no Senado (PLS 193/2016), de autoria do senador Magno Malta (PR-ES); e ainda em Assembleias Legislativas nos Estados, entre elas a do Amazonas (Aleam), de autoria do deputado Platiny Soares (DEM).

Por Gerson Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir