Dia a dia

Movimento faz ato pela manutenção da BR-319

Cerca de 30 manifestantes se reuniram na tarde deste domingo (9), no largo São Sebastião, no Centro, em protesto contra o embargo das obras da BR-319, que liga Manaus a Porto Velho/RO. Os manifestantes coletaram assinaturas para um abaixo-assinado que será entregue junto à 7° Vara da Justiça Federal do Amazonas, onde tramita a ação de embargo das obras da estrada. As assinaturas visam reverter essa ação na Justiça, que impede a retomada da construção da via.

Entre os manifestantes estavam estudantes, caminhoneiros e professores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), como o mestre Pedro Fernandes. O professor afirma que o movimento não tem ligação com partido político para que a causa não ganhe “apadrinhamentos”. Pedro disse que a mobilização foi toda feita pela sociedade amazonense e “é um movimento que abarca a sociedade amazonense’.

“Estamos mostrando uma carta aberta à sociedade brasileira dizendo quais as causas que estamos lutando. Queremos a BR toda pavimentada porque sabemos que só uma obra de recuperação não será suficiente. A rodovia precisa ser erguida no seu leito, pois se assim não for, não será suficiente, devido ao período de chuva que alaga, tornando a BR-319 intransitável”, frisa o professor.

Já para Nunu Darson, formando em logística, a BR-319 está praticamente pronta, não é finalizada por falta de vontade política.

“Existem muitos políticos que querem advogar em prol do movimento da recuperação da BR-319. Mas este é um movimento que visa à sobrevivência da nossa região. Ela é de suma importância para a integração do Amazonas com o Brasil. Hoje temos acesso à Venezuela, mas não temos ao restante do nosso próprio país. Com a reintegração da BR iremos reduzir custos com outros moldais, reduzir a logística, que hoje é mais de dez dias para a chegada de qualquer mercadoria no Amazonas”.

Segundo o integrante do movimento em prol da BR, a rodovia não sai porque existem outros interesses econômicos envolvidos. Entre eles de empresários do setor portuário da cidade de Manaus que impedem o avanço da BR, afirma o manifestante.

Liberação

Na semana passada o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) liberou trechos embargados das obras de construção da BR-319. Entretanto, a retomada dos trabalhos de manutenção do trecho central da rodovia depende de decisão judicial.

Por Stênio Urbano

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir