Dia a dia

Motorista que matou grávida não faz teste de bafômetro por falta de equipamento

Gleidson apresentava sinais de embriaguez e foi agredido por populares revoltados - foto: divulgação

Gleidson apresentava sinais de embriaguez e foi agredido por populares revoltados – foto: divulgação

Após passar pelos postos da Polícia Rodoviária Federal, do Departamento Estadual de Trânsito do Estado do Amazonas (Detran-AM) e alguns Serviços de Pronto Atendimento (SPAs), o motorista que atropelou e matou uma mulher grávida na manhã desta sexta-feira (14) em Manaus, até o momento desta publicação, não tinha feito o teste do bafômetro.

Isso porque todos os locais por onde passou estavam sem o equipamento necessário para o teste de alcoolemia, embora no início do ano, o Detran-AM tenha distribuído 20 mil bafômetros digitais para o Carnaval.

O acidente aconteceu na avenida General Rodrigo Otávio, bairro Japiim, Zona Sul, próximo a um posto de combustíveis, sentido rotatória da Suframa, por volta de 5h50. O condutor do carro, Gleidson Sena Amaral, 27, dirigia em alta velocidade o Pálio de cor cinza e placas JXI-6717 e não possuía Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Gleidson apresentava sinais de embriaguez e foi agredido por populares revoltados com a irresponsabilidade que levou a grávida a óbito. Ele escapou do espancamento com a chegada de policiais militares da 7° Companhia Interativa Comunitária (Cicom), que atenderam a ocorrência.

Além da vítima fatal, assistente social Alessandra Solart Amorim, 24 o irmão dela, Jorge Adriane Solart Rodrigues, também ficou gravemente ferido e foi levado ao Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, na Zona Leste, onde passa por cirurgia, conforme a Secretaria de Estado da Saúde no Amazonas (Susam).

Por equipe EM TEMPO Online

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir