Cultura

Morre em Salvador o produtor Wesley Rangel, figura eminente do axé baiano

Produtor de Axé

Rangel fundou em 1975 a empresa, inicialmente com a intenção de gravar comerciais para rádio e TV. foto: reprodução.

Importante nome por trás da axé music baiana, o produtor musical Wesley Rangel morreu na madrugada desta quarta-feira (6), aos 65 anos, em Salvador, anunciou sua gravadora, a WR Bahia. Ele lutava havia cinco anos contra um câncer de próstata.

A partir do início dos anos 1980, partiu para o ramo fonográfico, formando no estúdio uma banda com alguns dos principais representantes da nova música baiana na época: Luiz Caldas (arranjos, guitarras e vocais), Cesinha (bateria), Carlinhos Marques (baixo e vocal), Alfredo Moura (teclados e arranjos), Carlinhos Brown e Tony Mola (percussão), Silvinha Torres e Paulinho Caldas (vocais).

O grupo, mais tarde, deu origem à banda Acordes Verdes, que acompanhou Luiz Caldas na turnê do disco “Magia” -do sucesso “Fricote” (Nega do cabelo duro)-, marco do reconhecimento do axé como gênero musical.

Nascido em Iramaia, na região da Chapada Diamantina, Rangel chegou a Salvador em 1967 para estudar administração de empresas e, depois, direito, com foco no direito autoral.

Como produtor, trabalhou com Luiz Caldas, Chiclete com Banana, Edson Gomes, Olodum, Daniela Mercury, Timbalada, É O Tchan, Terra Samba, entre outros.

Pela WR, passou ainda a maioria dos mais conhecidos nomes do Carnaval baiano, como as bandas Eva, Cheiro De Amor, Asa De Águia, Beijo, Ara Ketu e Harmonia do Samba.

O corpo do produtor será cremado na tarde desta quarta, no cemitério Jardim da Saudade, localizado no bairro de Brotas, em Salvador.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir