Política

Moro amplia sigilo de ‘departamento da propina’ da Odebrecht

As razões do aumento do grau de sigilo são as conexões com uma outra investigação sobre a Odebrecht e o marqueteiro das campanhas de Dilma Rousseff - foto: divulgação

As razões do aumento do grau de sigilo são as conexões com uma outra investigação sobre a Odebrecht e o marqueteiro das campanhas de Dilma Rousseff – foto: divulgação

Documentos relativos à investigação sobre o funcionamento de um departamento dedicado ao pagamento de propina na Odebrecht, alvo da 26ª fase da Lava Jato, foram postos em sigilo pelo juiz Sergio Moro nesta quinta-feira (24).

As razões do aumento do grau de sigilo são as conexões com uma outra investigação sobre a Odebrecht e o marqueteiro das campanhas de Dilma Rousseff, João Santana, onde foram anexadas as planilhas que descrevem supostos pagamentos a mais de 300 políticos no país.

Deflagrada na terça feira (22), a fase Xepa mirou o suposto envolvimento de ao menos quatorze executivos de outros setores do Grupo Odebrecht, que demandavam o que a Procuradoria descreve como uma rede de pagamentos ilícitos através de um sofisticado esquema de contabilidade paralela.

Segundo a investigação, parte dos pagamentos se destinaram ao marqueteiro João Santana e à mulher dele, Mônica Moura.

A descoberta da estrutura clandestina levou a Odebrecht a divulgar uma nota em que admitiu pela primeira vez estar em conversações para que seus executivos, incluindo o ex-presidente Marcelo Odebrecht, se tornem delatores.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir