Sem categoria

Moradores reivindicam por asfaltamento de ramal do Paricatuba

A manifestação durou aproximadamente cinco horas e foi pacífica - foto: divulgação

A manifestação durou aproximadamente cinco horas e foi pacífica – foto: divulgação

Um grupo de moradores da comunidade do Paricatuba, no município de Iranduba (a 26 quilômetros de Manaus), interditaram na manhã desta quinta-feira (24), o quilômetro 22 da AM-070. Os moradores reivindicam o término do asfalto no ramal daquela localidade. A manifestação durou aproximadamente cinco horas e foi pacífica.

O trabalho foi iniciado em setembro do ano passado, mas não foi concluído. Segundo organizadores do protesto, três quilômetros ainda precisam ser revitalizados. Quatro viaturas da Ronda Ostensiva Candido Mariano (Rocam) foram deslocadas para acompanhar a mobilização.

De acordo com informações do condenador do conselho tutelar do município, Moisés Lopes, 37, essa é a segunda manifestação realizada pelos moradores. A primeira foi feita na semana passada, porém, até o momento, não obtiveram respostas sobre a previsão do início das obras.

“Não há previsão para o retorno das obras. O governador mandou asfaltar a metade do ramal, antes das eleições somente para iludir o povo” disse o conselheiro.

Para outra moradora da comunidade, a pastora Lúcia Lopes, é revoltante essa situação. “Fomos enganados.  Nos prometeram que, até o final do ano passado, o nosso ramal estaria asfaltado e  a promessa não foi cumprida”, disse a mulher.

O pastor Sebastião Nogueira da Silva, 56, informou que,  devido as condições do ramal, a condução escolar não entra nas comunidades, sendo assim, várias crianças ficam sem ir para aula, ficando prejudicas no ano letivo.

“Só estamos reivindicando nosso direito. Nossos filhos estão perdendo aula e quando o ônibus entra no ramal, vai até a parte que está asfaltada. As crianças têm que andar três quilômetros a pé para poder chegar à condução”, disse.

Os moradores ainda prometeram que, caso as obras não sejam reiniciadas até a próxima quinta-feira (1°), outra manifestação será realizada.

Por Mara Magalhães

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir