Sem categoria

Moradores fazem mutirão para recuperar trechos da BR-319 no Amazonas

 Moradores recuperam ponte na BR-319 no Amazonas- foto: divulgação/Movimento BR-319


Moradores recuperam ponte na BR-319 no Amazonas- foto: divulgação/Movimento BR-319

Cansados de esperar pela recuperação da rodovia BR-319, que liga Manaus, no Amazonas, a Porto Velho, em Rondônia, moradores da região resolveram fazer um mutirão para melhorar as condições da estrada. Por conta própria, estão promovendo pequenos reparos para facilitar o tráfego.

Neste sábado (9), eles pretendem fazer uma operação maior, chamada de Beija-Flor, para chamar a atenção das autoridades estaduais e federais. A mobilização vai começar pelo quilômetro (km) 350, considerado o pior trecho. Os moradores pretendem recuperar pontes de madeira e retirar os atoleiros, que aumentam por causa do período de chuva.

Deliane Rodrigues, moradora da cidade amazonense de Humaitá, diz que a situação atual da BR-319 atrapalha a vida de quem precisa passar pela rodovia. “Essa BR traz muitos benefícios para nós que moramos aqui em Humaitá e para mim, particularmente, que viajo por ela. A gente vai ver se consegue fazer o melhor com as nossas próprias mãos para melhorar a rodovia e poder transitar”, afirma. Ela acrescenta que “há muita lama, as pontes estão podres, os desvios estão cheios de água e a estrada cheia de barro ”.

Os atoleiros e as pontes quebradas também causam transtornos para o transporte público e comprometem a segurança dos passageiros, como relata o sócio de uma empresa de ônibus, Eduardo de Souza Machado. “As pontes estão em condições precárias, com risco de acidente. E aonde está muito ruim existe um desvio, e esse desvio é onde o ônibus atola. Fica três horas, quatro horas parado, esperando outro veículo para puxar. Em uma dessas pontes, nós tivemos um acidente, a ponte quebrou e um ônibus caiu de cima dela”, conta o empresário .

Deliane e Eduardo apoiam o movimento “BR-319 – Nós queremos o Brasil”. O grupo foi criado nas redes sociais e atualmente conta com 20 mil seguidores, segundo Pedro Fernandes, um dos coordenadores. “Nós queremos desenvolver essa ação para dar visibilidade, de modo que as pessoas tomem consciência da importância da BR-319 e que as autoridades se mobilizem em prol dessa causa. Não podemos aceitar que Manaus continue isolada do Brasil por meio terrestre. É plenamente possível conciliar o desenvolvimento da rodovia, o desenvolvimento do Amazonas, por meio dessa estrada, com a preservação do meio ambiente”, afirmou Pedro Fernandes .

Em outubro de 2014, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) embargou as obras de manutenção da BR-319, realizadas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), no trecho entre os quilômetros 250 e 655, que liga Humaitá a Manaus. Segundo o Ibama, foram encontradas irregularidades e graves danos ambientais. No mês seguinte, o Dnit conseguiu a suspensão do embargo na Justiça, mas as obras não foram retomadas.

Em nota, o Dnit informou que aguarda a emissão de licença pelo Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), para o início dos serviços de manutenção da rodovia. Acrescentou que aguarda também a licença de pavimentação do Ibama.

Sobre o mutirão de reparos, o Dnit declarou que “toda intervenção em uma rodovia federal tem que ter autorização do órgão, por questões de segurança nacional”. Lembrou que “não tem poder de polícia” portanto, não pode impedir.

Por telefone, o assessor da Diretoria de Licenciamento do Ibama, Rodrigo dos Santos, informou que não houve, por parte do Dnit, requerimento para liberação de uma licença de pavimentação. Disse que o instituto aguarda o relatório final dos impactos ambientais de obras na rodovia. O assessor também esclareceu que a licença ambiental embargada pelo Ibama no ano passado foi emitida pelo Ipaam e permitia apenas pequenas obras de conservação. Segundo ele, a medida foi tomada porque o Dnit estava fazendo obras além do que permitia a licença.

Em nota, o Ipaam informou que aguarda a formalização de um acordo com o governo do estado do Amazonas para definir a competência sobre o licenciamento ambiental da BR-319. No último dia 21 de dezembro, houve uma reunião entre o governador do estado, José Melo, e representantes do Ibama, do Ipaam e do Ministério Público Federal para tratar do assunto. Até o momento, segundo informações do site do governo amazonense, “o consenso é de que a emissão do laudo ambiental que autoriza as obras não pode ser feita de forma fragmentada, como vinha acontecendo”. Uma lei federal de abril do ano passado incorporou as licenças dos órgãos ambientais dos estados.

Em nota, o governo do Amazonas informou que “propôs ao Ibama e ao Ministério do Meio Ambiente a formalização e termo de cooperação, assegurando que o licenciamento ambiental da obra de recuperação da BR-319 – instalação, operação e manutenção -, em toda a extensão no âmbito estadual, seja expedido pelo Ipaam”. Segundo o governo, essa solicitação foi feita por meio de ofício enviado aos dois órgãos no último dia 4 de janeiro.
Por Agência Brasil

1 Comment

1 Comment

  1. Cleser M.de Almeida

    16 de janeiro de 2016 at 11:00

    Parabéns ao povo de Humaitá, estão dando um belo exemplo de cidadania, lutando pelos seus direitos. Esperemos que o governo federal tenha a sensibilidade de perceber que não dá mais para a BR 319 permanecer intransitável, mantendo isolada não só a população de Manaus como de outros municípios da região. É chegada a hora do governo, ou o MPF, tomar uma atitude junto ao Ibama, verificando os verdadeiros motivos de tanto atraso nas obras de recuperação dessa rodovia de importância vital para toda a região norte do pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir