Política em Foco

Ministros avaliam clima político-eleitoral em Manaus

Desde janeiro, Manaus virou parada estratégica para ministros e aliados da presidente Dilma Rousseff (PT). Segundo aliados do governo federal, o motivo é simples: às vésperas das eleições municipais, com um prefeito candidato natural à reeleição filiado ao principal partido político adversário do governo federal – PSDB – , com o governador, aliado de Dilma, cassado, e em um momento de crise política no Planalto, a presidente quer eleger, nas principais capitais, aliados nas prefeituras para que o PT tenha uma corrida eleitoral menos turbulenta, em 2018.

Estiveram na cidade, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, que lançou o Plano de Ações Articuladas para a região Norte, em evento com prefeitos e gestores do interior do Estado e o secretário-chefe da Casa Civil, Ricardo Berzoini, que veio a Manaus participar de uma campanha contra o Aedes aegypti.

Berzoini ainda presenciou o senador e ex-governador do Amazonas, Omar Aziz (PSD), defender, publicamente, o governador José Melo (Pros) contra a acusação de compra de votos. Até março, está prevista a visita do ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, para discutir a segurança dos rios da Amazônia.

Votação em alta
De acordo com aliados, a meta do governo federal é manter a alta votação de Dilma Rousseff no Amazonas e garantir uma vitória em Manaus, desde as eleições deste ano. Em 2014, Dilma venceu Aécio Neves (PSDB) nos dois turnos no Estado. No primeiro turno, a presidente recebeu 915.030 votos no Amazonas e, no segundo turno, venceu o tucano com 1.033.090 votos contra 555.810 recebidos por Aécio no Amazonas, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Articulação
Já a postos para a corrida eleitoral para a Presidência, em 2018, quem também deve vir a Manaus é o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), segundo lideranças do partido político no Amazonas. Prova de que Manaus virou parada quase obrigatória para os líderes dos partidos políticos que tem interesse no apoio para as próximas disputas eleitorais. Na última semana, no Acre, Temer afirmou que o PMDB terá candidato próprio à Presidência, em 2018. Será?

Saudade do governo?
Após conseguir a cassação do governador José Melo (Pros) e com a possibilidade de assumir o Executivo estadual, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB), demonstrou, na última sexta-feira (19), que está com saudade do governo do Estado.

Após visitas a Usina Mauá 3, o ministro percorreu o bairro Jorge Teixeira para reforçar a campanha contra o mosquito da dengue – Aedes aegypti. Nas redes sociais, Braga classificou o ato como “um momento de grande alegria por novamente sentir de perto o carinho do povo de Manaus, prazer que eu experimentava com frequência quando fui governador”. Então tá…

Bom dia, presidente
O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), deputado Josué Neto (PSD), deve receber, hoje, um grupo de servidores do Legislativo que reivindica o pagamento integral dos 50% do benefício extra de vale-alimentação e vale-medicamentos.

Pagos, historicamente, em dezembro, no ano passado, a Mesa Diretora da Aleam parcelou o pagamento dos benefícios em duas vezes: 50% em janeiro e 50% em fevereiro. Segundo os servidores, o valor de janeiro foi pago, mas este mês a Mesa Diretora da Assembleia decidiu parcelar, em seis vezes, os 50% restantes.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir