Sem categoria

Ministro e prefeito se reúnem para discutir estratégias para educação regional

Prefeito e ministro-chefe da SAE se reuniram para discutir as estratégias para a educação e desenvolvimento nacional – foto: Alex Pazuello/Semcom

Prefeito e ministro-chefe da SAE se reuniram para discutir as estratégias para a educação e desenvolvimento nacional – foto: Alex Pazuello/Semcom

O ministro-chefe da secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), Roberto Mangabeira Unger, se reuniu na tarde desta segunda-feira (4) com o prefeito de Manaus, Arthur Neto, para discutir estratégias para a educação regional e sobre a construção do novo plano de desenvolvimento nacional. Na manhã de hoje, o ministro também debateu o tema com o governador, José Melo.

A reunião com o chefe do executivo municipal ocorreu no Palácio Rio Branco, situado na avenida Sete de Setembro, Centro da capital, onde Mangabeira garantiu que a Zona Franca de Manaus (ZFM) é um instrumento importante no desenvolvimento da região amazônica.

“Eu entendo que a Amazônia pode ser uma vanguarda desse projeto produtivista. E é por isso que eu estou aqui, justamente para discutir essas questões com o prefeito Arthur. A Zona Franca de Manaus pode ser um terreno privilegiado, reunindo empresas médias de ponta, com ciência e tecnologia. Isso é o que queremos”, destacou o ministro.

Conforme o ministro está sendo construída, no governo federal e no país como um todo, uma nova estratégia nacional de desenvolvimento – voltada para a produção e a oferta, não apenas para o consumo e a demanda.

Mangabeira disse ainda que esta estratégia só será efetivada se for retomada a política regional – que deve ser concebida com um esforço para acalentar vanguardas alternativas no país. Para ele, é importante unificar a Amazônia fisicamente, resultando no palco de uma obra institucional transformadora.

“Nós estamos conscientes de que o avanço em educação depende do federalismo cooperativo, através de três elementos: a avaliação, a redistribuição – de lugares mais ricos para lugares mais pobres –, e o conjunto de procedimentos para a recuperação. A qualidade do ensino que uma criança brasileira recebe, não deve depender do local onde ela nasce”, frisou.

Segundo o prefeito de Manaus, o Amazonas possui uma gestão de qualidade na educação. Portanto, é de suma importância que haja investimento na criação de novas alternativas de desenvolvimento e aproveitamento dos produtos da região, resultando no avanço da habitação, ciência e tecnologia.

“Concordamos em um ponto: que teremos dois anos de muito sofrimento econômico pela frente, o que nos obriga a cortar gastos, preservar o máximo possível de empregos e defender a capacidade de investimento do Município”, afiançou Arthur Neto.

O chefe do executivo municipal afirmou ainda que é necessário pensar no futuro a partir de hoje, construindo um avanço educacional qualitativo, assim também como garantir um desenvolvimento satisfatório para o Estado.

De acordo com o presidente do Conselho Municipal de Gestão Estratégica, Félix Valois Coelho Junior, foi levantada a questão da necessidade de planejamento estratégico para a região amazônica.

“É importante definir um cenário positivo para daqui a 20 ou 30 anos, de tal modo que se possa trabalhar para que esse objetivo seja alcançado. É preciso que um país desenvolva tecnologia e inovação nas localidades regionais. A região que não tiver mão de obra qualificada está fora do processo de desenvolvimento”, ressaltou Valois.

Por Narel Desiree (especial EM TEMPO Online)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir