País

Ministério diz que 1.384 bebês nasceram com microcefalia entre outubro e maio

Destes, 207 tiveram confirmação laboratorial para relação com o vírus Zika, mas apesar deste número, a pasta diz que quase a totalidade dos casos são relacionadas ao vírus - foto: divulgação

Destes, 207 tiveram confirmação laboratorial para relação com o vírus Zika, mas apesar deste número, a pasta diz que quase a totalidade dos casos são relacionadas ao vírus – foto: divulgação

Balanço divulgado hoje (18) pelo Ministério da Saúde mostra que 1.384 bebês que nasceram com microcefalia e outras alterações no sistema nervoso que sugerem origem infecciosa. Destes, 207 tiveram confirmação laboratorial para relação com o vírus Zika, mas apesar deste número, a pasta diz que quase a totalidade dos casos são relacionadas ao vírus.

Os dados são referentes ao período de outubro de 2015 a 14 de maio deste ano. No total, foram notificados 7.534 casos suspeitos desde o início das investigações, em outubro de 2015, sendo que 3.332 permanecem em investigação e 2.818 foram descartados.

Em relação aos óbitos, no mesmo período, foram registrados 273 óbitos suspeitos de microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto ou durante a gestação no país. Destes, 59 foram confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Mais 177 casos continuam em investigação e 37 foram descartados.

Transmitido por um mosquito bem conhecido dos brasileiros, o Aedes aegypti, o vírus Zika começou a circular no Brasil em 2014, mas teve os primeiros registros feitos pelo Ministério da Saúde em maio de 2015. O que se sabia sobre a doença, até o segundo semestre do ano passado, era que sua evolução costumava ser benigna e que os sintomas, geralmente erupção cutânea, fadiga, dores nas articulações e conjuntivite, além de febre baixa, eram mais leves do que os da dengue e da febre chikungunya, também transmitidas pelo mesmo mosquito.

Porém, em outubro de 2015, exame feito pela médica especialista em medicina fetal, Adriana Melo, descobriu a presença do vírus no líquido amniótico de um bebê com microcefalia. Em 28 de novembro, o Ministério da Saúde confirmou que, quando gestantes são infectadas pelo vírus podem gerar crianças com microcefalia, uma malformação irreversível do cérebro que pode vir associada a danos mentais, visuais e auditivos. Pesquisadores confirmaram que a Síndrome de Guillain-Barré também pode ser ocasionada pelo Zika.

A microcefalia pode ter como causa diversos agentes infecciosos além do Zika, como sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes viral.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir