País

Ministério anuncia compra de 35 mil kits de tratamentos contra hepatite C

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, lança a nova campanha de prevenção as hepatites de 2016, na sede da Organização Pan-americana de Saúde (Opas) - foto: Elza Fiuza/Agência Brasil)

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, lança a nova campanha de prevenção as hepatites de 2016, na sede da Organização Pan-americana de Saúde (Opas) – foto: Elza Fiuza/Agência Brasil)

O Ministério da Saúde celebrou hoje (28) o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais anunciando que já fechou contrato para a compra, até o fim de 2016, de mais de 35 mil kits de tratamentos com os novos medicamentos para a hepatite C. Desde que o tratamento foi incorporado ao Sistema Único de Saúde (SUS), em outubro do ano passado, 23.599 foram comprados e mais de 22,8 mil pessoas atendidas.

Segundo o ministério, outros 6.925 tratamentos já foram aprovados e serão encaminhados aos pacientes na próxima semana. O custo desses novos tratamento até o momento é de R$ 1,028 bilhão. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, não revelou o valor do novo contrato, mas disse que a negociação foi bem sucedida.

“É um tratamento altamente eficaz. Temos estoque suficiente para atender a demanda e estamos fazendo o acompanhamento dos casos para que aquelas pessoas que se enquadram no protocolo possam iniciar ou continuar o tratamento”, afirmou.

Músico

O novo tratamento para hepatite C, com os medicamentos simeprevir, sofosbuvir e daclastavir, tem taxa de cura de 95%, com efeitos colaterais mais leves. As medicações, entretanto, não estão disponíveis a todos os pacientes, mas beneficiam àqueles que não podiam receber tratamentos oferecidos anteriormente, como portadores de HIV, cirrose descompensada e pré e pós-transplantados.

O músico Gilson Peranzzetta, 70 anos, conviveu com a hepatite C por 50 anos. Adquiriu a doença aos 19 anos, quando passou por uma cirurgia e precisou de transfusão de sangue. Ele foi atendido com o novo tratamento e agora está curado.

“A minha música mudou de som, minha vida mudou de som. Faço as coisas com mais alegria e sem essa espada na cabeça. Tenho uma gratidão enorme por esses profissionais [do SUS] que trabalham com tanto carinho”, acrescentou Peranzzetta.

Os resultados foram apresentados durante a reunião da Comissão Intergestores Tripartite, em Brasília, quando o ministério também lançou a campanha deste ano com foco no diagnóstico da hepatite C. O objetivo é incentivar pessoas acima de 40 anos a fazerem o teste da hepatite, já que é a faixa etária com maior taxa de detecção da doença.

A hepatite C tem cura, mas os sintomas só aparecem em fases avançadas da doença.

Hepatites virais

No Brasil, 514.678 mil pessoas têm hepatites virais: 31,4% tem hepatite A, 38,2%, hepatite B, 29,7%, hepatite C e 07% das pessoas têm hepatite D.

Entretanto, só para a hepatite C, a estimativa é que de 1,4 milhão a 1,7 milhão de pessoas sejam portadoras da doença, que é uma importante causa de cirrose e câncer de fígado. De 2000 a 2014, mais de 56 mil pessoas morreram em decorrência de hepatites virais, 75,2% das mortes associadas à hepatite C.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir