Mundo

Militar sérvio chega à Croácia para ser julgado por crimes de guerra

Um ex-comandante sérvio acusado de cometer crimes de guerra na Croácia, na década de 1990, chegou nesta quinta-feira (9) a Zagreb, capital croata, para ser julgado. A Austrália o extraditou da prisão onde cumpria pena, em Sidney, após nove anos de batalha judicial.

O militar Dragan Vasiljkovic, 60, é acusado de ter torturado e matado soldados e civis croatas, além do jornalista alemão Egon Scotland, enquanto comandava uma unidade paramilitar sérvia.

Preso em 2006 quando atuava como professor de golfe em Perth, o “Capitão Dragan” admite ter servido ao exército sérvio, mas nega ter cometido crimes de guerra. Em 2010, sua extradição foi judicialmente aprovada. Caso seja condenado, ele pode ser preso por até 20 anos.

Vasiljkovic foi morar na Austrália com a família em 1967, aos 15 anos. Lá, era conhecido como Daniel Snedden – nome que usava ao ser preso. Após a queda da Cortina de Ferro, quando a Iugoslávia se fragmentou e guerras de independência eclodiram nos Bálcãs, ele decidiu voltar ao seu país como voluntário das forças sérvias.

A guerra em Zagreb começou em 1991, depois que a Croácia declarou sua independência da então Iugoslávia, e durou até 1995. No período, a minoria étnica sérvia do país, apoiada pela Sérvia, também ex-república iugoslava, se rebelou e tomou à força um terço do país antes de ser derrotada há 20 anos.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir