Mundo

Milhões de britânicos vão às urnas na mais disputada eleição do Reino Unido

Britânicos votam hoje em eleições gerais no Reino Unido para escolher o futuro primeiro-ministro da nação – foto: divulgação

Britânicos votam hoje em eleições gerais no Reino Unido para escolher o futuro primeiro-ministro da nação – foto: divulgação

Desde as 7h (11h, no horário de Brasília) desta quinta-feira (7), britânicos se dirigem às urnas para escolher quem será o próximo primeiro-ministro. A votação termina às 22h e os primeiros resultados devem ser divulgados por volta de meia-noite. Cerca de 45 milhões de pessoas se inscreveram para votar. A eleição é distrital e em cada região o candidato a Membro do Parlamento (deputado) mais votado é eleito.

A eleição de hoje deve ser a mais acirrada da história do Reino Unido e o resultado ainda é imprevisível. De acordo com o levantamento divulgado pelo The Guardian, o Partido Trabalhista tem 35% das intenções de voto, apenas um ponto à frente do Partido Conservador, atualmente no governo.

Os dados revelam ainda que partidos menores devem ganhar relevância, influenciando a configuração da política britânica. O Partido Independente do Reino Unido (UKIP, da sigla em inglês), cuja ideologia é desfavorável à imigração e à integração com a União Europeia, aparece com 11% das intenções de voto, à frente do tradicional Liberal Democrata, que tem 9%. O Partido Nacional Escocês (SNP, da sigla em inglês) e o Partido Verde figuram com 5% e 4% das intenções de voto, respectivamente.

De acordo com o sistema eleitoral britânico, para indicar o primeiro-ministro, um partido precisa alcançar 326 dos 650 assentos da Câmara dos Comuns, a casa legislativa de maior atuação no Reino Unido, equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil. Se nenhum partido conseguir a maioria, ocorre uma situação a qual os britânicos chamam hung parliament (parlamento enforcado, em tradução livre). Neste caso, alianças tem que ser feitas para garantir maioria.

Se não houver acordo para a formação de um governo de coalizão, uma nova eleição pode ser convocada. Na última eleição, em 2010, por exemplo, o Partido Conservador alcançou 306 assentos, contra 258 do Partido Trabalhista, e uma aliança com o Partido Liberal Democrata foi necessária para garantir a governabilidade.

A possibilidade de que alianças tenham que ser formadas com legendas como UKIP e SNP, que tem posições consideradas extremas em relação a temas polêmicos, assusta líderes tradicionalistas. O vice-primeiro-ministro, Nick Clegg, do Partido Liberal Democrata, acha que a presença de grupos minoritários no governo poderia trazer grande instabilidade e levar, inclusive, a uma segunda eleição até o fim do ano.

Entre as principais propostas que estiveram em debate durante a campanha está a manutenção da política de austeridade econômica e corte nos gastos públicos, adotada por David Cameron e amplamente criticada pelos trabalhistas, que são favoráveis à ampliação do investimento como forma de ampliar o crescimento da nação.

Outra questão polêmica é a proposta de Cameron de promover um referendo, até 2017, para decidir se o Reino Unido deve continuar fazendo parte da União Europeia. Os trabalhistas são contra e afirmam que a proposta é “a receita para o caos”.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir