Economia

Metro quadrado mais caro está no bairro Dom Pedro

Durante a divulgação da pesquisa, nesta quinta-feira (17), o presidente da Ademi–AM, Romero Reis, informou que o processo de pesquisa no setor deve passar por aprimoramentos. foto: Ione Moreno.

Durante a divulgação da pesquisa, nesta quinta-feira (17), o presidente da Ademi–AM, Romero Reis, informou que o processo de pesquisa no setor deve passar por aprimoramentos. foto: Ione Moreno.

O bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste, surpreendeu o setor imobiliário ao apresentar o metro quadrado mais caro de Manaus, no mês de novembro. O dado foi conferido numa pesquisa realizada pela Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas (Ademi-AM). De acordo com o estudo, o preço do metro quadrado comercializado na região ultrapassou R$ 7 mil.

Durante a divulgação da pesquisa, nesta quinta-feira (17), o presidente da Ademi–AM, Romero Reis, informou que o processo de pesquisa no setor deve passar por aprimoramentos, facilitando assim o planejamento tanto das empresas como dos consumidores. “O dom Pedro é um bairro bastante interessante e ficamos surpresos com essa revelação”, disse.

De acordo com Reis, essa foi a nossa primeira pesquisa divulgada pela associação. “É natural que a primeira tenha alguma discrepância. Nas próximas divulgações essas informações estarão cada vez mais afinadas, os associados passarão a ter mais sensibilidade em passar as informações, e com isso a qualidade com os números divulgados vai aumentar”, informou.

O bairro Flores, Zona Centro-Sul, foi a região escolhida pela maioria dos consumidores que adquiriu um novo imóvel no mês passado. Segundo a pesquisa, somente em novembro deste ano, ao menos 31 unidades localizadas em Flores foram vendidas, com o preço médio do metro quadrado superior a R$ 4,5 mil.

 

Disponibilidade

Com o maior número de empreendimentos lançados entre 2013 e 2015, o bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul, lidera com o número de unidades disponíveis no mercado. São 777 novos imóveis para vendas, com valores de até R$ 6.231,40 o metro quadrado.

Para Reis, a questão da qualidade de vida vem sido levada em consideração na hora da compra. “Exemplo é o trânsito da região, que vem impactando muito na escolha. As pessoas começaram a perceber que morar perto do local de trabalho é fundamental, então isso faz com que todos os bairros tenham lançamentos para facilitar o deslocamento”, salientou.

Ainda segundo dados da pesquisa, dentro do índice das Vendas Sobre Oferta (VSO), em novembro foram vendidas em todas as zonas de Manaus, 63 unidades com tipologia residencial. Já as salas comerciais tiveram um desempenho menor, registrando apenas três unidades vendidas.

No caso do valor cobrado pelo metro quadrado em Manaus, o presidente da Ademi-Am ressalta que vários fatores são levados em consideração, entre eles a área do empreendimento e a mão de obra. “O valor do metro quadrado do Amazonas reflete as condições que nós temos aqui. É levado em consideração o valor de mão de obra, do terreno, do cimento, entre outros, o que encarece o preço final do produto. Exemplo é o preço do cimento aqui em Manaus, que está fora da realidade brasileira. Mesmo com todas as dificuldades logísticas que enfrentamos no Estado, eu posso dizer que o preço do metro quadrado ainda é um dos mais adequados do país”, frisou.

Sobre as expectativas do setor para o próximo ano, Romero destaca que o mercado imobiliário consiste em ciclos. Em 2015, o setor encerra se privilegiando das vendas de unidades já prontas. Para 2016, todas as construtoras estão preparando projetos e planos para que no momento econômico mais adequado voltem a lançar. “Neste ano os lançamentos foram baixos no comparativo com os anos passados, mas no próximo ano tenho a expectativa de alcançar valores ainda maiores de novos empreendimentos. Nós do setor não temos dúvida que a população de Manaus vai voltar a investir, o que deverá instabilizar o mercado, gerando dados, gerando confiabilidade”, disse.

 

Projetos

De acordo com a Ademi-Am, além da realização do panorama do mercado, em 2016, a associação vai criar uma cooperativa de compras, promover o 2º Mega Salão de Imóveis e instituir o prêmio de Qualidade e Produtividade. As novidades, de acordo com Romero Reis, atendem a necessidade importantes e são inspiradas em experiência bem-sucedidas em outros Estados.

Outra ação confirmada para o próximo ano é a realização de treinamentos para as empresas associadas, com foco no desenvolvimento. Entre os temas estão técnicas modernas de gestão e negócio do mercado imobiliário.

 

Por Gerson Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir