Economia

Metade dos consumidores não confia nos descontos da Black Friday

Metade dos consumidores ainda tem desconfiança em relação aos descontos oferecidos na Black Friday. E quatro em cada dez dos que participaram do evento no ano passado não pretendem gastar nada neste ano.


Os dados são de levantamento feito para a Folha de S.Paulo pela dunnhumby no Brasil, empresa especializada em ciência do consumidor e que atua em 30 países.

A desconfiança em relação aos preços dos produtos oferecidos chama a atenção, diz Adriano Araújo, diretor-geral no Brasil.

Do total de entrevistados, 54% informaram que não acreditam nos descontos da Black Friday, 18% desconfiam e somente 28% acreditam que os descontos sejam realmente interessantes.

As respostas foram dadas entre os dias 6 e 10 de novembro, período bem próximo ao evento, que acontece neste ano na sexta (27). Foram 450 consumidores das classes A e B entrevistados, pela internet. Apesar de a pesquisa ter abrangência nacional, a maior parte desses consumidores vive no Estado de São Paulo.

Entre os que compraram no ano passado, os produtos de maior interesse são computadores, tablets, câmeras e televisores.

NO TOPO

Apesar do ceticismo mostrado na pesquisa feita no Brasil, o país está entre os “Top 5” da Black Friday no mundo, segundo outro estudo internacional da mesma consultoria.

A empresa analisou o interesse de consumidores de 34 países pela data, a partir de sites buscadores de internet em que eles digitaram as palavras “Black Friday”.

O Brasil aparece no ranking ao lado de Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Romênia. No ano passado, apareceu entre os seis primeiros países dessa lista. Em 2013, o Brasil apareceu pela primeira vez na lista dos cinco países, com maior interesse nessa data.
“O interesse do consumidor só cresce a cada ano. Chama a atenção o fato de o Brasil ser um dos últimos países a ‘adotar’ o evento, que se consolidou em 2013, e estar nessa lista”, diz Araújo.

Em 2010, os consumidores fizeram buscas com o tema Black Friday com seis semanas de antecedência. No ano passado, foram nove semanas, em média. Em 2015, as buscas começaram com dez semanas de antecedência.

“O consumidor este ano está mais cético, com os descontos, garimpando mais as ofertas. Mas 57%, em tempos de crise, acreditam que essa data pode ajudar nas compras de final de ano”, afirma o diretor.

DICAS

Veja abaixo algumas recomendações para os consumidores:

1- LISTA
Faça uma lista de compras com tudo que você pretende comprar. Isso ajuda a evitar compras por impulso.

2- PESQUISA
Pesquise com antecedência os preços e imprima as imagens para ter provas caso haja uma fraude nos descontos ou um aumento dos preços no dia da promoção.

3- ÓRGÃOS DE DEFESA DO CONSUMIDOR
No caso de dúvidas ou problemas, vale ligar para órgãos de defesa do consumidor. O Procon-SP contará com atendimento em tempo real aos consumidores durante as 24 horas da Black Friday.

4- ON-LINE
As compras pela internet requerem uma série de cuidados: uso de computador pessoal com antívirus e checagem da reputação dos sites, por exemplo.

5- VALOR DO FRETE
O consumidor deve olhar sempre o valor do frete de suas compras, inclusive para poder comparar os preços com os de lojas físicas.

6- CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR
Vale sempre lembrar que todas as normas do Código de Defesa do Consumidor valem durante a Black Friday. O cliente que se sentir lesado pode acionar a Justiça e os órgãos de defesa do consumidor.

Por Folhapress

1 Comment

1 Comment

  1. Alan

    23 de novembro de 2015 at 22:18

    Black Fria, tudo pela metade do dobro…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir