Economia

Meta de gastos do governo é ‘voltar ao nível de 2013’, diz Joaquim Levy

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse neste sábado (16), em Florianópolis, onde fez uma palestra, que o país tentará “voltar ao nível de 2013” no que se refere aos gastos do governo.

Segundo ele, o nível daquele ano representa “a disciplina necessária para caminhar na direção da meta fiscal”.

“É um exercício de disciplina. O ano de 2014 foi além do que a gente pode suportar. 2013 foi um ano bom, uma boa linha de referência”, afirmou em entrevista.

O ministro não falou em valores, mas na área econômica, Planejamento e Fazenda avaliam um corte entre R$ 70 bilhões e R$ 80 bilhões para este ano.

Levy também desconversou ao ser questionado sobre a reunião da qual irá participar neste domingo (17) com a presidente Dilma Rousseff para tratar de cortes no orçamento.

“Nós estamos nos preparando [para a reunião] e eu não sei que horas vai acabar”, disse, em tom de brincadeira.

Além dele, Dilma convocou para o encontro os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Casa Civil, Aloísio Mercadante.

Levy disse que o governo “está fazendo esforço” para diminuir os gastos da administração, inclusive “com cortes na própria carne”.

Sem espaço

Sobre o fator previdenciário, o ministro disse que “há uma percepção no governo de que não temos espaços para novas despesas”.

Ele afirmou que o Ministério da Previdência está “fazendo algumas contas” e que “o sentimento é que tirar o fator previdenciário vai aumentar as despesas”, mas não falou em números.

A nova regra aprovada pelos deputados, chamada de fórmula 85/95, permite a aposentadoria integral, sem a diminuição calculada com base no fator previdenciário, sempre que a soma da idade com o tempo de contribuição do segurado der 85, para mulheres, ou 95, para homens.

Para uma mulher se aposentar, é necessário ter, no mínimo, 30 anos de contribuição. No caso do homem, 35.

O fator, criado na gestão Fernando Henrique Cardoso, tem como objetivo retardar aposentadorias. É calculado conforme a idade do trabalhador, tempo de contribuição e expectativa de sobrevida.

Sem estimar datas, e em linha com o que vem dizendo em eventos oficiais, o ministro disse que o Brasil voltará a crescer quando tiver o projeto fiscal completo e quando houver “a reação da confiança da disposição do setor privado”.

“O setor privado tem que olhar o ambiente e sentir confiança de tal forma que ele esteja disposto a crescer, a voltar a investir.”

Levy afirmou que o país está passando por “um momento de ajuste, de transformação econômica”, que ocorre em “nível global”.

“O mundo está mudando, e o Brasil tem que mudar. O Brasil começa a mudar pelo ajuste fiscal.”

Visita

Após encontro com o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), e com o secretário da Fazenda do Estado, Antônio Gavazzoni, Levy iria ainda se reunir neste sábado com empresários em Joinville, na região norte do Estado.

O governo Colombo informou, em nota, que “a vinda do ministro a Santa Catarina é pautada pelos indicadores positivos que o Estado tem mantido mesmo diante da crise econômica nacional”.

O texto afirma que, em 2014, Santa Catariana foi o maior “gerador de empregos no país” e liderou o ranking de crescimento da arrecadação de ICMS entre os Estados que mais arrecadam, com um aumento de 12,2%. Disse ainda que o Estado tem um dos menores índices de endividamento do país.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir