Economia

Mercado de Manaus tem estoque baixo de imóveis

Dados do censo imobiliário mostram que o preço médio do metro quadrado privativo das regiões Centro-Sul e Sudoeste analisado, em maio deste ano, é de R$ 6,4 mil e R$ 6,5 mil, respectivamente - foto: arquivo EM TEMPO

Dados do censo imobiliário mostram que o preço médio do metro quadrado privativo das regiões Centro-Sul e Sudoeste analisado, em maio deste ano, é de R$ 6,4 mil e R$ 6,5 mil, respectivamente – foto: arquivo EM TEMPO

Dados do censo imobiliário mostram que o preço médio do metro quadrado privativo das regiões Centro-Sul e Sudoeste analisado, em maio deste ano, é de R$ 6,4 mil e R$ 6,5 mil, respectivamente,

O estoque de imóveis prontos para negociação está abaixo da média na capital amazonense, segundo dados do censo imobiliário do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Amazonas (Sinduscon), divulgado ontem (28), na sede da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam). No evento, foram apresentados também os novos lançamentos para o segundo semestre.

De acordo com o presidente da comissão da Indústria Imobiliária do Sinduscon, Marco Aurélio Bolognese, o censo – realizado pela empresa Brain (Bureau de Inteligência Corporativa) no período entre 2010 e 2016 – vai dar um panorama real da situação do mercado imobiliário de Manaus, em especial neste período de dificuldade econômica em que o país se encontra.

“Pegamos 120 empreendimentos para entender o mercado e, desta forma, conseguimos entender alguns números e índices, e percebemos que Manaus está com um estoque baixo de imóveis. Nosso estoque não passa de 14,5% de tudo o que foi lançado, em imóveis prontos e em construção. Se compararmos com outras capitais do Brasil, é um número baixo. Em Curitiba, por exemplo, tem 28%, e no Rio Grande do Sul tem 22%”, destacou.

Custo

Dados do censo imobiliário mostram que o preço médio do metro quadrado privativo das regiões Centro-Sul e Sudoeste analisado, em maio deste ano, é de R$ 6,4 mil e R$ 6,5 mil, respectivamente, ou seja, aproximadamente, R$ 700 superior ao atual preço do metro quadrado da cidade de Manaus, que é de R$ 5,8 mil.

A pesquisa revelou ainda, que, embora Manaus tenha sido uma das primeiras capitais a sofrer com os impactos da crise econômica, pode ser uma das primeiras a enxergar uma “luz no fim do túnel”.

“Significa que teremos números melhores no segundo semestre. Teremos de três a quatro lançamentos em todas as tipologias, seja no programa Minha Casa, Minha Vida, condomínios de lotes ou de médio padrão. O crescimento pela necessidade de imóveis em Manaus é de em torno 4% ao ano, mas precisamos de, aproximadamente, 20 mil moradias por ano”, revelou.

Por Luís Henrique Oliveira

Do AGORA

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir