Dia a dia

Mecânico é preso após vender carros sem autorização na Zona Leste

Arão foi preso em flagrante na tarde da último sábado (5), na Zona Leste - Foto: Arthur Castro

Arão foi preso em flagrante na tarde da último sábado (5), na Zona Leste – Foto: Arthur Castro

O mecânico Arão Menezes Fernandes, 45, foi preso em flagrante na tarde do último sábado (5), na rua Calixto, bairro Coroado , Zona Leste de Manaus. De acordo com o delegado titular do 25º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Cícero Túlio, após Arão vender sem autorização da proprietária, um veículo modelo Gol, de cor vermelha e placa JXI 1663, deixado para conserto na oficina, sob a responsabilidade dele.

“As informações dão conta de que Arão se utilizava da própria oficina, que está situada no bairro São José, para que ele pudesse cooptar veículos de terceiros. De posse desses veículos se apropriava dos veículos das vítimas. Ele agia sozinho, a partir do momento que se apropriava do veículo, fechava a oficina, e em seguida vendia o veículo para outras pessoas que não sabia que o veículo não era dele”, disse o delegado.

A vitima, Dorielma Souza Dias, deixou o carro em setembro de 2015, para fazer um serviço de reparo no motor na oficina de Arão. Após realizar um concerto, em novembro, o mecânico revendeu o veículo para Maria Elisa Laranjeiras, no valor de R$ 12 mil.

No último sábado (5), Dorielma proprietária de um veículo modelo Gol, conseguiu localizar o carro em poder de Maria Elisa, ocasião em que descobriu que foi vítima de estelionato, e procurou o 25º DIP, para denunciar o caso. Como Maria Elisa ainda devia uma última parcela a Arão, a equipe policial montou campana no local, onde o mecânico deveria receber o dinheiro e o prendeu em flagrante.

Arão irá responder pelo crime de estelionato e apropriação indébita majorada, por usar a sua oficina para atrair clientes e usar veículos para obter vantagem com a venda dos mesmos a terceiros. Ele seria encaminhado a cadeia pública desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde irá permanecer à disposição da Justiça.

Por Lindivan Vilaça

Com informações de Thais Gama

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir