Dia a dia

Marinha orienta turistas a não mergulhar no encontro das águas

Força das correntezas e o grande fluxo de embarcações circulando pela área podem contribuir para a ocorrência de acidentes - foto: Marcio Melo

Força das correntezas e o grande fluxo de embarcações circulando pela área podem contribuir para a ocorrência de acidentes – foto: Marcio Melo

Admirar as belezas do encontro das águas e ainda mergulhar em um dos pontos turísticos mais populares de Manaus é prática de quase todos os turistas quem vêm conhecer a capital. Porém, mergulhar nessa área pode ser perigoso e arriscado conforme o capitão dos Portos da Amazônia Ocidental (CFAOC), o capitão de Mar e Guerra Alfred Dombrow Júnior. Segundo ele, devido a forte correnteza e a ocorrência de um fluxo intenso de embarcações na região, a Capitania não recomenda a prática de mergulho no local, a fim de evitar acidentes.

“A área do encontro das águas é uma área que tem uma correnteza muito forte. A do Solimões é uma corrente fraca em relação a que vem do rio Negro. Essa confluência de correntezas já é um problema, junto com isso tudo tem o grande trafego de embarcações. Tudo isso é problema. Digamos que uma pessoa mergulhe, mesmo que esteja de colete a corrente vai levar essa pessoa, e se um comandante ou um condutor de um barco não notar essa pessoa, poderá vir a causar um acidente”, disse.

“Nós tivemos um acidente muito grave no início deste ano, então isso foi um sinal de alerta para a gente da Capitania dos Portos, que estamos vendo um movimento de turistas muito grande aqui nesse período de jogos olímpicos, e principalmente, com o verão que se aproxima. Então é uma medida preventiva, uma recomendação”, explicou.

Mesmo sendo perigoso e arriscado, ainda há empresas turística que oferecem pacotes com passeios até o encontro das águas, com direito a mergulho no local. Por esse motivo, segundo Dombrow Júnior, a Capitania buscou uma parceria com a Empresa estadual de Turismo (Amazonastur), para que oriente suas agências de turismo e excursão credenciadas, quanto a recomendação da Marinha.

“A Capitania dos Portos tem tido o apoio da Amazonastur nesse sentido, de forma que essa informação chegue a esses operadores de turismo. Por toda sua beleza, por toda a magia dessa região o turista quer mergulhar, mas que mergulhe num local seguro, essa é a recomendação que nós passamos e o encontro das águas não é esse local seguro. Para isso, há outras localidades como um igarapé, as praias próximas ao rio Negro, para mergulhar. O turista pode vir, curtir tudo de bom que a Amazônia tem, mas que tenha essa recomendação como segurança”, destacou.

Ainda segundo ele, quaisquer irregularidades deverão ser informadas à CFAOC por meio do Disque Segurança da Navegação 0800 280 7200 ou WhatsApp (92) 99302-5040. Por enquanto, nenhuma denúncia sobre esse tipo de situação, de acordo com ele, chegou ao conhecimento da Capitania. “Isso foi apenas uma observação feita pela nossa equipe naval que atua por lá. Mas qualquer denúncia pode ser feita por meio dos nossos canais de comunicação que iremos checar in loco”, finalizou.

Por Michelle Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir