Esportes

Jogador amazonense fala sobre atuação na seleção da Bulgária

Destaque do Ludogorets, da Bulgária, o meia amazonense Marcelinho parece gostar de marcar gols contra as equipes do astro português Cristiano Ronaldo – foto: Ione Moreno

Destaque do Ludogorets, da Bulgária, o meia amazonense Marcelinho parece gostar de marcar gols contra as equipes do astro português Cristiano Ronaldo – foto: Ione Moreno

No dia 1º de outubro de 2014, pela fase de grupos da Liga dos Campeões da Europa, ele abriu o placar para Ludogorets Razgrad sobre o Real Madrid, de Cristiano Ronaldo e companhia. Em sua estreia pela seleção da Bulgária, na sexta-feira retrasada (25), o meio-campista marcou o gol da vitória da sua equipe sobre Portugal, de CR7. Será Marcelinho, nascido em Manacapuru e naturalizado búlgaro, carrasco do astro luso?

Com a tranquilidade que lhe é peculiar e sem querer polemizar, ele desconversa. Para o amazonense, o bom mesmo é jogar contra grandes equipes e enfrentar bons jogadores. Poder marcar gols é melhor ainda. Os tentos anotados sobre as equipes de Cristiano Ronaldo são classificados pelo próprio atleta como os dois mais importantes da sua carreira até o momento.

“Falar dos dois gols é algo emocionante. Na Champions, fazer gol contra o Real Madrid, que era o atual campeão, é gratificante demais. Há alguns dias atrás eu pude fazer outro gol, de novo contra o Cristiano Ronaldo, contra a seleção portuguesa na minha estreia pela seleção búlgara. Fico feliz. Carrasco… não sei se é bem essa palavra, mas acho que sou abençoado contra ele”, avalia Marcelinho.

Até agora, o meia enfrentou CR7 em três oportunidades. As duas primeiras pela Liga dos Campeões da Europa da temporada 2014/15. O Ludogorets, equipe que defende desde 2011, saiu derrotada de campo em ambas as ocasiões pelo Real Madrid. Contudo, ele marcou o único gol da equipe nos confrontos, que teve como placar agregado um elástico 6 a 1.

Já no mais recente duelo entre Marcelinho e Cristiano Ronaldo, a história foi outra. Em seu primeiro jogo vestindo a camisa da seleção da Bulgária após se naturalizar, o amazonense levou a melhor CR7. Aos 19 minutos do primeiro tempo, na cidade de Leiria, em Portugal, o meia passou por Vieirinha e Pepe, antes de chutar no canto esquerdo do goleiro Rui Patrício e decretar a vitória búlgara sobre o selecionado luso.

“Naquela ocasião, tive a tranquilidade de cortar muito bem o Vieirinha. A minha intenção, era, de repente, que os dois viessem em alta velocidade. E vieram. O Vieirinha não conseguiu parar, o Pepe conseguiu. Depois eu tive um pouco de sorte, a bola acabou batendo na perna dele, eu consegui voltar e ele não. Bati meio mascado, mas a bola entrou. O importante foi o gol”, explica o meio-campista do Ludogorets.

Naturalização

Após cinco anos atuando com a camisa do time búlgaro – com participação na Liga Europa, Liga dos Campeões e um tetracampeonato local – Marcelinho se viu apto a ser convocado para a seleção nacional. Aos 31 anos e grato por tudo que o país do Leste Europeu lhe proporcionou na carreira, ele promete fazer pela Bulgária o que fez e faz pelo Ludogorets.

“A responsabilidade foi muito grande, assim como a alegria. Vestir a camisa da Bulgária foi emocionante. No momento do hino, eles brincaram muito para saber se eu o conhecia. E eu sei todo o hino da Bulgária, cantei antes do jogo. É o país que me acolheu, que me deu tudo na carreira. As coisas mais importantes aconteceram aqui, estão acontecendo aqui, e no que eu puder ajudar dentro de campo, farei. Sempre vou dar o máximo por esse país”, afirma Marcelinho.

‘Ele é marrento mesmo’

Eleito três vezes o melhor jogador do mundo, Cristiano Ronaldo não chama atenção apenas pelo seu futebol. Sempre procurando os holofotes e as câmeras dentro de campo, o português tem fama de ser polêmico. Marcelinho recorda de uma história envolvendo CR7 nos duelos que fez contra o astro.

“Esse jeito marrento ele tem mesmo. Tem até história curiosa dos jogos que aconteceu contra ele. No jogo em casa, contra o Real, pela Champions, ele acabou perdendo um pênalti, mas converteu outro. Quando fez o gol, ele falou para o nosso goleiro: ‘pega esse aí agora’. Agora, no jogo contra Portugal, nosso goleiro meio que retribuiu. Num lance de cabeça, dentro da pequena área, ele defendeu. O Ronaldo ficou se perguntando: ‘como é que essa bola não entrou?’. E o goleirão falou que não tinha jeito, o dia era dele. E o Ronaldo respondeu: ‘É teu dia, mas fica tranquilo que até o final do jogo eu faço um gol’. Acabou não fazendo”, conta Marcelinho.

Fã de Messi, o amazonense revela não ser fã do astro português. Questionado sobre aquela tradicional tietagem a um jogador famoso ao final das partidas, o meia disse que não houve qualquer tipo enaltecimento a Cristiano Ronaldo. “Consegui até a camisa do Vieirinha, que foi o jogador que me marcou e que eu marquei também, jogamos um contra o outro na mesma posição. Contra o Real Madrid, eu troquei camisa com o Marcelo, lateral-esquerdo brasileiro”, diz.

Por André Tobias

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir