Política

Manifestantes voltam a protestar contra o governo em frente ao Planalto

A última pesquisa Ibope mostra que 18% dos eleitores têm intenção de votar branco ou nulo - foto: Joel Rodrigues/Folhapress

A última pesquisa Ibope mostra que 18% dos eleitores têm intenção de votar branco ou nulo – foto: Joel Rodrigues/Folhapress

Cerca de 3 mil pessoas, de acordo com a Polícia Militar, protestaram nesta quinta-feira (17) em frente ao Palácio do Planalto, pedindo a saída da presidenta Dilma Rousseff. Os manifestantes bloqueiam todas as faixas da Esplanada dos Ministérios no sentido Rodoviária. Há pouco, eles seguiram para o gramado do Congresso Nacional.

 

Eles permaneceram em frente à sede do Executivo por volta de uma hora, portando faixas, cartazes, bandeiras do Brasil e vestindo camisetas da seleção brasileira. Por diversos momentos, gritavam palavras de ordem, em especial com o pedido: “renuncia”. Foram vistas faixas com os dizeres: “Lula na cadeia. Dilma impeachment” e “O Brasil não é do PT”.

 

Durante o ato, foram soltos fogos de artifício e ouviram-se vaias ao governo. O Batalhão de Choque e a cavalaria da Polícia Militar (PM) faziam o cerco, impedindo que os manifestantes se dirigissem à parte da avenida que fica exatamente em frente ao Palácio do Planalto, sede do governo federal.

 

Na opinião da estudante Júlia Fontes Torres, de 22 anos, a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil foi uma “falta de respeito com a população”. “Está comprovado já que ele fez aquele monte de coisa e vai colocar ele no governo pra ajudar a Dilma? Ou seja, só vai piorar a situação. Parece que ela está de ouvidos fechados e não está nem aí para o que o povo está protestando”, afirmou Júlia, que defende o impeachment da presidenta.

 

Além da PM, permaneceram de prontidão na parte interna no Planalto segurança da Presidência da República e efetivos do Exército. Segundo a PM, durante todo o dia, 1.360 policiais fizeram a segurança das manifestações na Esplanada dos Ministérios.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir