Economia

Manacapuru produzirá laticínios em 120 dias

Manacapuru se tornará uma das principais cidades produtoras de laticínios no Amazonas – Carol Garcia

No prazo de 120 para iniciar operação e com investimentos de R$ 2 milhões, o município de Manacapuru (a 68 quilômetros de distância em linha reta da capital) deverá se tonar um dos grandes produtores de leite e seus derivados. Os recursos destinados para o projeto fazem parte da nova matriz econômica apresentada pelo governo do Estado e deverá injetar no setor primário um investimento de R$ 950 milhões.

A aplicação de capital na produção de laticínios foi aprovada na manhã da última quarta-feira (22), durante a 266ª reunião do Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam), que investirá R$ 2 bilhões em 30 projetos. Foi o que destacou o deputado estadual Orlando Cidade, durante seu pronunciamento no plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), na manhã de ontem (23).

De acordo com parlamentar, a produção de leite e produtos derivados tem outros dois projetos similares naquela localidade – entre Manaus e Manacapuru -, ambos em processo de produção.

“Esse novo projeto vai alavancar a produção de leite e seus derivados. E logo o Amazonas será autossuficiente nesse ramo”, disse Cidade.

Segundo o deputado, no sul do Amazonas, como em Santo Antônio do Matupi, Apuí e Boca do Acre, existem grande produtores de laticínios. Para o parlamentar, isso significa o desenvolvimento rural se firmando. “Agora, com esses três produtos de laticínios em torno de Manaus, daremos um grande passo na economia estadual”, afirmou.

Conforme Cidade, embora Manacapuru não esteja tão distante dos maiores produtores de laticínios do Estado, como o município de Presidente Figueiredo, Itacoatiara e Rio Preto da Eva, o aporte será fundamental para melhorar a estrutura. “Eu creio que em 120 dias o município de Manacapuru estará em toda sua capacidade produtiva”, apontou.

Para ele, a nova matriz econômica do governo tem o objetivo de levar investimentos para o interior, uma vez que no modelo Zona Franca, segundo o deputado, os recursos vêm de fora para ser investidos no Estado. “No interior não tem com atrair investidores de fora, por isso a nova matriz econômica tem esse objetivo”, disse.

Matriz econômica

A nova matriz econômica, apresentada pelo governo do Estado, tem um aporte de R$ 950 milhões, oriundos de empréstimos. Os investimentos serão destinados no desenvolvimento da piscicultura, da pecuária e da fruticultura, além da pavimentação de estradas vicinais e aplicação de infraestrutura na capital e no interior no setor primário.

Henderson Martins
EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir