/* */
Política

Mais um presidente? Entenda porque Rodrigo Maia pode assumir o país até 2018

A articulação de parlamentares em torno do nome de Rodrigo Maia se intensificou nos últimos dias | Agência Brasil

As articulações para Rodrigo Maia (DEM-RJ) substituir Michel Temer no Palácio do Planalto ganharam corpo na base governista e já foram discutidas inclusive na residência oficial do presidente da Câmara, em Brasília.

A denúncia apresentada contra Temer por corrupção passiva e o rápido derretimento do capital político do governo mudaram o comportamento de Maia nos bastidores e levaram a classe política a enxergar no presidente da Câmara, primeiro na linha sucessória, um potencial novo centro de poder do país.

“Meu papel é garantir a continuação do rito da denúncia e a estabilidade do Brasil”

Ao longo da crise aberta com a delação de executivos da JBS, que atingiu Temer diretamente, Maia evitava qualquer discussão sobre a possibilidade de substituir o presidente. Nas últimas semanas, porém, começou a admitir esse cenário a aliados mais próximos.

Blindagem

Maia já declarou apoio ao governo, mas não apresenta mais o mesmo relacionamento com o Planalto | José Cruz/Agência Brasil

O presidente da Câmara, no entanto, nega publicamente qualquer ação para fragilizar o governo. “Não estou tratando disso. O momento é grave e meu papel é garantir a continuação do rito da denúncia e a estabilidade do Brasil”, disse à Folha.

Ele, porém, passou a frequentar menos os palácios do Planalto e do Jaburu e evitou presidir a Mesa da Câmara durante discussões polêmicas, para não entrar em embate com partidos de oposição que o apoiam.

Com boa relação com o setor financeiro e empresarial, tem se colocado como potencial fiador da agenda de reformas defendida pelo mercado e fragilizada sob Temer.

Nova base aliada

O presidente do PSDB, Tasso Jereissati, já deu declarações a favor de Rodrigo Maia | Divulgação/PSDB

Deputados e ministros de partidos da base do governo, como PSD, PP, PSB, Podemos e DEM, passaram a gravitar em torno do presidente da Câmara, oferecendo apoio ao prosseguimento da denúncia contra Temer na Casa e sustentação a um novo governo.

“Ele tem condições de juntar os partidos ao redor de um nível mínimo de estabilidade do país”

Até o PSDB fez um aceno. O presidente interino do partido, senador Tasso Jereissati (CE), disse nesta quinta (6) que Maia “tem condições” de conduzir a transição do país até as eleições de 2018.

“Se vier a afastar o Temer, Maia é presidente por seis meses. Aí ele tem condições de fazer, até pelo cargo que exerce como presidente da Câmara, de juntar os partidos ao redor de um nível mínimo de estabilidade do país”, disse o tucano, para quem o país está chegando à “ingovernabilidade”.

Tasso chegou a ser cotado como candidato em eventual eleição indireta.

Trânsito na oposição

A coalizão pró-Maia se uniu a siglas de oposição próximas a ele, como PC do B, PT e PDT. O presidente da Câmara recebe os articuladores desse movimento, mas ainda não pede apoio contra Temer na votação da denúncia e evita discutir a formação de um eventual novo governo, à espera de os desdobramentos da crise ficarem mais claros.

Próximos passos

Maia acredita que Temer terá condições de barrar no plenário da Câmara a primeira denúncia apresentada pela PGR (Procuradoria-Geral da República). Partidos da base aliada, entretanto, entendem que a sustentação política do presidente deve se deteriorar com as duas próximas denúncias.

Caso os deputados apoiem o prosseguimento da denúncia, Temer fica afastado por até 180 dias | Divulgação

Caso os deputados aprovem o prosseguimento de uma denúncia, Temer é afastado por até 180 dias, durante o seu julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal), e Maia assume o Planalto interinamente. Se condenado, Temer deixa o cargo em definitivo e o Congresso convoca eleições indiretas. O presidente da Câmara é citado como franco favorito nesse cenário.

Os movimentos pró-Maia se intensificaram a tal ponto que o Planalto passou a ver o presidente da Câmara com desconfiança.

Aliados de Temer enumeram os episódios em que Maia agiu contra o presidente: defendeu em conversas com deputados a saída do PSDB do governo, recusou-se a juntar as denúncias contra o presidente em uma única votação na Câmara e influenciou a escolha de Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) como relator do processo na CCJ à revelia do Planalto.

Bruno Boghossian e Marina Dias
FolhaPress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir