Sem categoria

Maioria dos filiados a partidos políticos no AM têm mais de 45 anos

Os jovens, atualmente, representam uma minoria nas nomenclaturas - foto: Ricardo Oliveira

Os jovens, atualmente, representam uma minoria nas nomenclaturas – foto: Ricardo Oliveira

No Amazonas, os maiores partidos políticos vêm atraindo militantes da faixa etária entre 45 e 59 anos, segundo dados disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com os dados, os jovens, atualmente, representam uma minoria nas nomenclaturas dos maiores partidos políticos em número de filiados no país.

É o caso do PCdoB, que tem 20,5 mil filiados no Amazonas. Destes, 14,23 % são filiados do sexo feminino, sendo 2,9 mil na faixa etária de 45 a 59 anos. Segundo dados do TSE, há 3,5 mil filiados do sexo masculino com a mesma faixa etária. De acordo com o presidente do PCdoB, Antônio Levino, o partido político não faz distinção de sexo ou faixa etária para filiações. “O nosso partido político é um dos maiores do Estado e não temos uma desproporção entre homens e mulheres e em relação à faixa etária. Mas, uma coisa é certa, o nosso partido também tem uma quantidade grande de jovens”, disse Levino.

Ocupando o segundo lugar com um maior número de filiados no Amazonas, o PT tem 17,2 mil eleitores. Deste total, dentre os com 45 a 59 anos, há 2,2 mil filiações femininas e 2,3 mil masculinas.

No PMDB, dos 13,8 mil eleitores filiados no Estado, entre os que têm 45 a 59 anos há 2.018 filiados do sexo masculino e 2,7 mil filiados do sexo feminino. Seguem na lista dos com maior número de filiados no Amazonas o PSDB com 11,8 mil filiados, seguido pelo PP, que tem 11,6 mil filiados. No DEM, há, atualmente, 1,1 mil filiados. O partido político é o único com maior representatividade de filiados com faixa etária de 35 a 44 anos.

Para o antropólogo e coordenador do Núcleo de Cultura de Política da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Ademir Ramos, a cultura política no Brasil não está centrada nos partidos políticos, mas, sim, nas lideranças. Segundo ele, as pessoas com uma faixa etária maior procuram os partidos políticos não de acordo com os programas partidários, mas, sim, por conta dos ‘atores partidários’.

“Isso faz parte da nossa cultura. Essas pessoas mais velhas tendem a procurar partidos políticos tradicionais, aqueles que estão no poder. Em contrapartida, a juventude procura os partidos políticos mais jovens”, disse Ramos.

Juventude procura ‘novos’ partidos

De acordo com dados da Justiça Eleitoral, as novas siglas vêm atraindo um maior quantitativo de e filiados jovens. É o caso, por exemplo, do PHS, que tem mais de 3,5 mil filiados na faixa etária de 25 a 34 anos e cerca de 600 filiados entre 35 e 44 anos.

Uma das menores siglas no Amazonas em número de filiados é o PRB, com 3,621 mil filiados. Destes, há 429 mulheres na faixa etária entre 35 a 44 anos e 580 homens com 25 a 34 anos.

Para o presidente regional do PRB, João Carlos Melo, a procura para filiação ao partido político é diversificada, sem distinção entre idades gênero e classes sociais. Mas, é indiscutível o interesse dos jovens pela legenda.
“Talvez eles estejam sendo orientados pelos pais ou até devido ao próprio cenário político que passamos. Isso faz com que queiram ver as coisas mudar”, disse o presidente.

Segundo o presidente do PRB, a intenção do partido político é ampliar o número de filiados para chegar a 10 mil filiações até o mês de março.

Centralização

Para o antropólogo Ademir Ramos, as filiações de jovens em partidos políticos tidos como novos podem ser explicadas pelas estratégias positivas desempenhadas por estas legendas para atrair a juventude. Segundo ele, os partidos políticos também investiram na criação de institutos que funcionam para captar a juventude para as legendas.

“Essa é uma estratégia de formação. No entanto, a juventude entra no partido, mas não tem ressonância, pois existe um caciquismo e centralismo muito grande, em uma só liderança. E o pior, muitos têm uma centralidade em uma relação familiar e isso exclui a participação dos demais”, disse Ramos.

Por Henderson Martins

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir