Esportes

Magno Alves garante vitória do Fluminense contra Figueirense

O jogo parecia fácil. Com total domínio sobre o Figueirense, o Fluminense abriu 2 a 0 em menos de 20 minutos de partida. Teve chances, mas não ampliou, o que permitiu ao time catarinense acordar após o intervalo e, após golaço de Carlos Alberto, buscar o empate por 2 a 2. Mas o silêncio no Edson Passos deu lugar a uma festa tricolor depois de Magno Alves, após pouco mais de 15 minutos em campo, marcar aos 33min do segundo tempo e garantir a vitória por 3 a 2, em jogo atrasado da 18ª rodada da Série A disputado na tarde deste sábado.

Com o resultado, o Fluminense chega aos 34 pontos, assume o oitavo lugar da tabela e fica a apenas três pontos do G-4. Já o Figueirense segue estacionado nos 24 pontos e perde a chance de deixar a zona de rebaixamento, permanecendo no 18º lugar.

Os dois times agora voltam a campo na próxima quarta-feira. O Fluminense faz clássico contra o Botafogo, no estádio Luso Brasileiro, às 16h, enquanto o Figueirense recebe o Atlético-PR no Orlando Scarpelli, no mesmo horário. Os dois jogos são válidos pela 23ª rodada da Série A.

Magnata decide com 3º gol de cabeça do Flu

Pode-se dizer que o Fluminense usou mesmo a cabeça diante do Figueirense. Os três gols saíram desta forma, sendo o último deles de Magno Alves, que foi às redes após um ‘peixinho’ aos 33min do segundo tempo -depois de substituir o apagado Henrique Dourada aos 16min.

Scarpa vai bem mesmo com braço imobilizado

Especialmente no primeiro tempo, Gustavo Scarpa foi a principal arma ofensiva do Fluminense. Quase marcou um golaço no começo da partida, minutos antes de abrir o placar de cabeça. Depois, ainda cobrou o escanteio que resultou no segundo gol (de Renato Chaves) e ainda ‘deu um gol’ para Henrique Dourado, que desperdiçou.

Dourado decepciona e acaba substituído

A vantagem de 2 a 0 construída pelo Fluminense ainda no primeiro tempo poderia ter sido ainda maior não fossem os dois gols perdidos (um deles em chance claríssima) por Henrique Dourado. Sem corresponder, o atacante acabou substituído logo no começo do segundo tempo por Magno Alves.

Discussão entre Levir e C. Alberto

Um lance ocorrido na metade do primeiro tempo gerou uma longa discussão entre o meia Carlos Alberto e o time do Fluminense -principalmente o técnico Levir Culpi. Ambos discutiram mesmo com a bola rolando e, na saída do intervalo, voltaram a se desentender.

Levir vive altos e baixos na partida

Marquinho e Marcos Júnior eram os favoritos, mas foi Pierre o escalado por Levir Culpi para a vaga no meio-campo/ataque que ainda não havia sido definida antes do jogo. E a opção do técnico tricolor, mesmo teoricamente mais defensiva, deu certo na prática. O Flu dominou o Figueira desde o apito inicial, fez dois gols em menos de 20 minutos e poderia ter feito mais.

No intervalo, com o placar em 2 a 0 e o Fluminense praticamente não sendo incomodado pelo Figueirense, Levir Culpi sacou Pierre (que já tinha cartão amarelo) e colocou Marquinho. Com a mudança, o time caiu bastante de produção e sofreu o empate. Mas o técnico continuou ousando, colocou Magno Alves e Marcos Júnior em campo e viu o primeiro marcar o gol da vitória.

Polêmica no fim do jogo

O Figueirense chegou a empatar a partida por 3 a 3 já nos acréscimos, com Nirley. O juiz chegou a apontar para o centro do campo, sinalizando falta em Diego Cavalieri. Os jogadores do time catarinense chegaram a comemorar pensando que ele havia marcado gol, mas após serem informados que o gol foi anulado, reclamaram bastante.

Torcida do Flu participativa

A torcida tricolor presente no Edson Passos participou bastante da partida. Desde as vaias constantes a Carlos Alberto, ex-jogador do clube, a pedidos de Magno Alves e Marcos Júnior no começo do segundo tempo, logo após o primeiro gol do Figueirense.

Cartão relâmpago

O jogo começou quente no Edson Passos. Por uma falta dura em Henrique Dourado, o zagueiro Bruno Alves recebeu cartão amarelo com menos de 30 segundos de jogo. Foi o terceiro dele, que não encara o Atlético-PR na próxima quarta-feira. Quem também irá desfalcar o Figueirense é Carlos Alberto, que recebeu o cartão amarelo na comemoração do seu gol.

Queda de energia quase atrasa jogo

Uma queda de energia no bairro Cosmorama, em Mesquita (RJ), atingiu o estádio Edson Passos e por pouco não provocou o atraso da partida. Antes do apito inicial, porém, a energia foi restabelecida e evitou qualquer alteração no horário do confronto. Ainda assim, o Fluminense já havia providenciado um gerador caso o problema voltasse a ocorrer.

Início de maratona no Rio

O jogo contra o Figueirense foi o primeiro de uma sequência de quatro jogos no Rio de Janeiro, três deles como mandante. Além do duelo deste sábado, o Flu encara Atlético-MG (dia 12) e Chapecoense (dia 15) no Edson Passos. Fora isso, ainda faz clássico contra o Botafogo -como visitante- na próxima quarta-feira, dia 7, no estádio Luso Brasileiro.

FLUMINENSE

Diego Cavalieri, Wellington Silva, Henrique, Renato Chaves e William Matheus; Pierre (Marquinho), Douglas (Marcos Junior), Cícero, Gustavo Scarpa; Wellington e Henrique Dourado (Magno Alves). T.: Levir Culpi

FIGUEIRENSE

Gatito Fernández, Ayrton, Nirley, Bruno Alves e Morassi; Renato (Jefferson), Jackson Caucaia, Elvis (Rafael Silva) e Carlos Alberto (Michael Ortega); Lins e Rafael Moura. T.: Tuca Guimarães.

Estádio: Giulite Coutinho, em Mesquita (RJ)

Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (DF)

Auxiliares: Daniel Henrique da Silva Andrade (DF) e Jose Reinaldo Nascimento Junior (DF)

Cartões amarelos: Renato Chaves, Pierre (FLU); Bruno Alves, Jackson Caucaia, Carlos Alberto (FIG)

Público e renda: 5.154 pagantes e R$ 140.940

Gols: Gustavo Scarpa, aos 13min, Renato Chaves, aos 19min do primeiro tempo; Carlos Alberto, aos 3min, Nirley, aos 15min, Magno Alves, aos 33min do segundo tempo.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir