Dia a dia

Mãe de aluno acusa diretor do colégio da PM em Manaus de tê-la agredido com soco no rosto

Em depoimento Roberta Pinto alegou ter sido agredida com um soco no rosto pelo tenente coronel da PM, Ronaldo César Gomes - foto: divulgação

Em depoimento Roberta Pinto alegou ter sido agredida com um soco no rosto pelo tenente coronel da PM, Ronaldo César Gomes – foto: arquivo da família

Na manhã desta quinta-feira (6), por volta das 8h, uma confusão envolvendo alunos do Colégio da Polícia Militar do Amazonas (CMPM-1), em Petrópolis, Zona Sul de Manaus, resultou em uma agressão à dona de casa Roberta Pinto, 35, que alega ter recebido um soco no rosto, dado pelo diretor da instituição, o tenente coronel Ronaldo César Gomes.

De acordo com a vítima, o fato aconteceu após o filho dela, uma criança de sete anos, que cursa o segundo ano do ensino fundamental no CMPM-1, ter sido apontado pela direção da escola como sendo o possível autor de uma mordida na coleguinha de turma.

“Fui intimada pela direção da escola a participar de uma reunião. Quando cheguei no local soube da confusão envolvendo meu filho e a colega dele de turma. Em nenhum momento eles se propuseram a ouvir a versão do meu filho. Eu sempre pedindo pra eles ouvirem os dois lados, mas isso não aconteceu, foi quando eu comecei a ser agredida”, contou.

Ainda de acordo com a vítima, durante a reunião o diretor da escola, na companhia de mais dois policiais militares, trancou a porta da sala. A dona de casa diz que, na sequência, os militares começaram a gritar no intuito de intimidá-la. “Eles ficavam gritando ‘aqui é polícia, você tem que respeitar’”.

“Um deles, o soldado Paulo Sérgio, chegou a apontar o dedo no meu rosto. Já o outro agente, uma policial militar, quando percebeu que eu estava gravando tudo com o celular, partiu para cima de mim e começou a me empurrar até conseguir tirar o aparelho das minhas mãos”, revelou a dona de casa, ressaltando que na ocasião o diretor da escola, o tenente coronel Ronaldo César Gomes desferiu um soco contra o rosto dela.

O marido da vítima, José Pinto, 36, informou que o filho já recebeu advertências por estar envolvido em outras duas ocorrências do mesmo tipo. “Meu filho já foi punido outras duas vezes, a última foi há dois dias. Ele está em período de provas e não tem reposição de trabalhos ou notas quando há suspensão. Quando a mãe dele chegou na escola, o menino já estava sendo suspenso de novo”, informou José.

Ainda de acordo com o pai da criança, após o ocorrido, a direção da escola solicitou apoio policial e conduziu a esposa dele até a sede do 3º Distrito Integrado de Polícia (DIP), naquela mesma região da cidade. “Ela foi conduzida como acusada. Ela apanhou, foi agredida com um soco no rosto e ainda vira réu?”, questionou José à equipe de reportagem do EM TEMPO.

Versão da polícia

Em nota, a PM informou que está acompanhando o incidente e destacou que “a mãe do aluno desacatou, agrediu e insultou funcionários da instituição depois que foi acionada para responder pelo mau comportamento que seu filho praticou em sala de aula”. Por fim, a instituição revelou que o aluno será submetido a medidas disciplinares e ficará suspenso por dois dias.

O tenente coronel da PM e gestor da escola compareceu até o 3º Distrito Integrado de Polícia (DIP) para registrar um Boletim de Ocorrência (B.O) por desacato à autoridade. Em depoimento na sede da unidade policial os funcionários do colégio informaram que Roberta Pinto ameaçou a criança que foi mordida pelo filho dela e, ao perceber o corrido, o policial Paulo Sérgio Souza repreendeu a mãe que começou a desacatar a autoridade.

De acordo com informações apuradas com a assessoria de imprensa da Polícia Civil do Amazonas, o registro gerou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e os envolvidos foram liberados.  Já a dona de casa, Roberta Pinto, registrou B.O por crime de lesão corporal cometido pelo diretor da escola, o tenente coronel Ronaldo César Gomes.

O caso será investigado e, posteriormente, deverá ser encaminhado à justiça para que os procedimentos cabíveis sejam adotados de acordo com a Lei.

Isac Sharlon
Portal EM TEMPO

9 Comments

9 Comments

  1. Antônio

    11 de outubro de 2016 at 11:56

    Engraçado agora o tenente e o santo, agride a pessoa e acha que está correto história mal contada dizer que a mãe da criança meteu o dedo no aparelho dentario para sangrar juiz nenhum no mundo vai acreditar nisso.tem que botar danos morais mêsmo contra os maus policiais

  2. Maria de Lourdes

    7 de outubro de 2016 at 20:00

    Essa moça é uma piada!!!!!! Primeiro que eu sou mãe de aluna no CMPM e minha filha foi suspensa mês passado e o tenente explica detalhadamente “Esse canhoto que estamos entregando é se caso o aluno perca alguma atividade avaliativa ele pode requerer a 2°chamada para que outra seja feito”.Segundo, o tenente Paulo Sérgio é calmíssimo , jamais faria uma coisa dessas.Terceiro, a versão é que ela queria agredir a aluna que tem 7 anos , e a aluna desmaiou 2 vezes pelo fato da situação passada. O seu filho já tinha sido advertido por mais de 3 vezes pelo mesmo motivo MORDER OS “AMIGUINHOS”.Sinto muito, o que falta nessa senhora é caráter.

  3. LUCILENE

    7 de outubro de 2016 at 14:39

    Essa história está muito estranga. O Diretor do colégio militar é um exemplo de gestor é de ser humano.

  4. MICHEL FRANK

    7 de outubro de 2016 at 11:53

    ESSA HISTÓRIA ESTÁ MUIITO MAL CONTADA POR ESSA SENHORA. O DIRETOR RONALDO É POTENTE, TODOS ELOGIAM ELE NA ESCOLA E A COMUNIDADE PERTO TAMBÉM… A MÍDIA SÓ DIZ O LADO DELA. ALGUÉM JÁ FOI ENTREVISTAR OS FUNCIONÁRIOS DA ESCOLA DA PM EM PETRÓPOLIS?? MUITO ESTRANHO MESMO, ISSO DEVE SER O MARIDO DELA EM CASA QUE BATE NELA E ELA QUER ACUSAR O GESTOR, CÍNICA!

  5. Luciana Paiva

    7 de outubro de 2016 at 09:32

    César Gomes nunca faria isso. Essa mentira deve ser fruto de falta de educação familiar. Nem todos aguentam estudar num colégio militar.

  6. GLORIA MARIA CAETANO

    7 de outubro de 2016 at 08:31

    Porque nossa opinião não apare na reportagem?

  7. dulci

    6 de outubro de 2016 at 18:47

    a criança agredida é minha sobrinha , a sorte dessa mulher é que a minha cunhada tem educação,se meu irmão ver essa criatura ameaçando a filha dele ,não ia da certo,euducação se traz de casa ,a escola te da o conhecimento,tenho pena desse menino ter uma mãe desequilibrada,tem testemunha de tudo o que aconteceu.

  8. Karen

    6 de outubro de 2016 at 18:40

    Acho difícil essa acusação ser verdadeira de o coronel César Gomes agredir uma mãe de aluno, já presenciei situações de distrato para com ele e a paciência de Jó que ele possui, pelo tamanho e força que o mesmo tem, se ele tivesse agredido essa mulher, a mesma estaria bem machucada e não com pequenos arranhões e leve luxação no olho. Em toda a escola tem câmeras e com certeza isso deverá ser aclarado.

  9. GLORIA MARIA CAETANO

    6 de outubro de 2016 at 16:47

    Sobre o ocorrido com a noticia
    “Mãe de aluno acusa diretor do colégio da PM em Manaus de tê-la agredido com soco no rosto” sou mãe de aluno do colégio e tenho presenciado cada atitude de pais que fico chocada, os pais jogam seus filhos lá dentro e querem que os proficionais eduquem os filhos e não aceitam o REGIME DA ESCOLA quanto ao Gestou nunca tinha visto um gestor tão solicito quanto esse Coronel que interage com todos e sempre esta a disposição de todos os pais. Acho inverdade o que essa mãe esta falando. Minha opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir