Mundo

Maduro tira da Assembleia controle sobre canal de TV

Aprovada na noite de quinta-feira (10), a manobra é mais um componente da disputa entre o chavismo - foto: reprodução

Aprovada na noite de quinta-feira (10), a manobra é mais um componente da disputa entre o chavismo – foto: reprodução

Numa demonstração de força às vésperas de entregar o Legislativo venezuelano à oposição, o governo chavista aprovou uma lei que transfere o controle dos canais parlamentares de TV e rádio aos trabalhadores da emissora, quase todos escolhidos por afiliação ideológica.

Aprovada na noite de quinta-feira (10), a manobra é mais um componente da disputa entre o chavismo, que domina o Estado de forma hegemônica desde 1999, e a oposição, que se prepara para assumir o Parlamento -com amplos poderes garantidos pela supermaioria- a partir de 5 de janeiro.

Pela nova lei, a ANTV e a ANRadio deixam de responder institucionalmente e juridicamente à Assembleia Nacional unicameral e passam a ser propriedade de suas centenas de funcionários -o número exato não é divulgado.

O novo formato de funcionamento e gestão não está claro, mas aparenta ser semelhante ao de uma cooperativa.

A lei foi avalizada pela Comissão Nacional de Comunicações (Conatel), órgão regulador alinhado ao chavismo.

O governo alega ter tomado a decisão para “proteger os trabalhadores” depois que Henry Ramos Allup, um dos mais influentes deputados eleitos no pleito de domingo, chamou os canais parlamentares de “vergonhosos” e prometeu “mudá-los”.

Ramos Allup também anunciou planos de investigar suspeitas de corrupção nas emissoras.

A oposição se queixa de que a ANTV e a ANRadio se tornaram plataforma de propaganda ideológica a serviço do chavismo em vez de atuar como órgãos isentos e republicanos, conforme manda a lei.

Os canais ficaram famosos por ocultar uma pancadaria que deixou vários deputados feridos em 2013.

A oposição até agora nega planos de fechar as emissoras, mas a diretora da ANTV, Merly Garaicoa, disse ter sido ameaçada.

“Recebemos chamadas telefônicas nas quais nos perguntam: ‘quem está aí?’ Somos seus novos chefes, vamos atrás de vocês”, afirmou.

Oposição e governo também estão em rota de colisão nas agendas política e econômica.

A oposição pretende usar sua maioria qualificada de dois terços para votar leis para libertar opositores presos, reduzir controles na economia e destituir altos funcionários chavistas.

O governo deixou claro que resistirá às mudanças e chamou os opositores de “fascistas”.

Numa tentativa de se garantir juridicamente, o chavismo manobra há meses para reforçar seu controle sobre a Corte Suprema, conhecida como Tribunal Superior de Justiça.

A aposentadoria de 12 dos 32 magistrados da Corte foi antecipada sem justificativa clara, abrindo caminho para a nomeação dos substitutos nos próximos dias.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir