Política

Lula se reúne com Dilma para fechar reforma ministerial

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva almoçará nesta quarta-feira (23) com a presidente Dilma Rousseff para fechar os detalhes da reforma administrativa que o governo federal pretende anunciar nesta semana.

O encontro será realizado no Palácio da Alvorada e a ideia é de que seja uma reunião privada com presença apenas dos dois petistas. O cardápio do almoço é a nova configuração da Esplanada dos Ministérios.

Mais cedo, a presidente se reuniu na residência oficial com o vice-presidente Michel Temer e com os líderes do PMDB no Congresso Nacional.

No novo desenho ministerial, o Palácio do Planalto não tem conseguido chegar a um acordo com o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL).

A presidente ofereceu ao peemedebista a indicação do comando do Desenvolvimento, pasta atualmente controlada pelo ministro Armando Monteiro (PTB), mas o senador tem reivindicado a Integração Nacional.

Com dificuldades na Câmara dos Deputados, o governo federal aceitou analisar nomes indicados pelo PMDB da casa legislativa para Saúde e Infraestrutura, pasta que deve ser criada da fusão entre Portos e a Aviação Civil.

Os nomes que serão oferecidos para a Saúde são Manuel Júnior (PB), aliado do presidente da Câmara dos Deputados, e Marcelo Castro (PI), próximo ao vice-presidente Michel Temer.

Para a Infraestrutura, o partido indicará os deputados federais Sérgio Souza (PR), José Priante (PA) e Celso Pansera (RJ).

No desenho inicial de assessores presidenciais, a ideia era oferecer a Saúde ao PMDB do Rio de Janeiro. O governador Luiz Fernando Pezão chegou a se reunir com a petista nesta segunda-feira (21), mas não houve avanço na negociação.

A tendência é de que a presidente mantenha nas atuais pastas os ministros peemedebistas Eduardo Braga (Minas e Energia) e Kátia Abreu (Agricultura).

Com a demora na definição, a presidente tem cogitado adiar para sexta-feira (25) sua viagem para Nova York.

Em jantar com a bancada federal do PCdoB, na segunda-feira (21), ela chegou a lamentar a possibilidade de não assistir ao discurso do papa Francisco na sede da ONU (Organização das Nações Unidas), marcado para sexta-feira (25).

Desde o início da semana, tanto o PMDB quanto o PT têm sugerido à petista que deixe a reforma ministerial para semana que vem, para evitar um novo desgaste no momento em que o governo federal enfrenta dificuldades no Congresso Nacional.

Para assessores e auxiliares da petista, é pouco provável que ela consiga anunciar até sexta uma reforma administrativa completa.

Eles acreditam que ela deve definir a divisão dos ministérios por partidos.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir