Dia a dia

Linhas de ônibus da ‘Global’ só voltam a circular normalmente neste sábado

Assustados com os assaltos a ônibus ocorridos nas últimas 24 horas, motoristas e cobradores das linhas 600, 650 e 676 resolveram fazer uma paralisação de advertência, nesta sexta (1º) – foto: arquivo EM TEMPO

Assustados com os assaltos a ônibus ocorridos nas últimas 24 horas, motoristas e cobradores das linhas 600, 650 e 676 resolveram fazer uma paralisação de advertência, nesta sexta (1º) – foto: arquivo EM TEMPO

As linhas de ônibus retiradas de circulação pelos rodoviários da Global Green – 600, 650 e 676 – na tarde desta sexta-feira (1º) só voltarão a circular normalmente no sábado (2).

A informação foi divulgada pelo Sindicato de Transportes Urbanos de Manaus (Sinetram), por meio de texto distribuído à imprensa na noite desta sexta (1º).

Assustados com os assaltos a ônibus, motoristas e cobradores das três linhas de transporte público retornaram à garagem da Global e resolveram promover uma paralisação de advertência, nesta sexta-feira.

A ocorrência mais grave foi registrada por volta das 15h30 de hoje, quando Carlos Munõz, 58, foi baleado ao reagir a um assalto em um coletivo da linha 600 que passava pelo Terminal 4 (T4), no bairro São José, Zona Leste de Manaus.

Polícia acionada

De acordo com o gerente de tráfego da empresa, Sérgio Gomes, com medo de novos assaltos, os colaboradores resolveram parar. A polícia foi acionada, porém algumas linhas da empresa ficaram comprometidas e só devem voltar a operar normalmente neste sábado (2).

“Devido os constantes assaltos que tem ocorrido, nossos colaboradores estão com receio de trabalhar à noite. Hoje, aconteceu esse fato e eles resolveram paralisar, e nós não podemos força-los a trabalhar por conta dessa situação. Já pedimos ajuda da polícia para dar segurança nas linhas que ainda estão operando”, destacou Gomes.

Para não prejudicar os usuários, ônibus de outras empresas foram deslocados para suprir as linhas da Global, nos terminais de integração 4 e 5.
Levantamento do Sinetram aponta que, nos primeiros três meses de 2015, foram registrados mais de 300 assaltos, o que gerou um prejuízo de mais de R$ 400 mil às empresas. Em 2014 foram registrados 950 assaltos.

Usuários prejudicados

Mesmo com as paradas quase vazias por conta do feriado do Dia do Trabalhador, o usuário Gilberto Diniz, 41, relatou que já estava esperando um ônibus há mais de 40 minutos e não sabia da informação sobre a paralisação dos motoristas.

“Não estava sabendo. Agora nem sei como chegarei em casa”, afirmou o morador do bairro Jorge Teixeira, na Zona Leste da capital.

Segundo funcionários da Global, que preferiram não se identificar, assaltos são constantes e que os motoristas só pretendem voltar ao trabalho quando houver indicação de segurança nas linhas 600, 650 e 676.

 

Por equipe EM TEMPO Online

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir