Economia

Linha branca enfrentará o pior cenário em 2015

Representantes de diversas organizações locais participaram do evento, no qual foi debatido o uso racional de água e a boa prática de gestão de resíduos sólidos adotados no PIM - foto: divulgação

Representantes de diversas organizações locais participaram do evento, no qual foi debatido o uso racional de água e a boa prática de gestão de resíduos sólidos adotados no PIM – foto: divulgação

O segmento de linha branca – fogões, geladeiras e lavadoras – deve enfrentar em 2015 um dos piores anos, de acordo com o vice-presidente de relações institucionais, sustentabilidade, business unit, manufaturas e comunicação da Whirlpool Latin America, Armando Ennes do Valle Júnior. “A venda das empresas do segmento de linha branca no ano passado não foi ruim, mas também não foi a melhor da nossa indústria. Mas, este ano, tende a ser a pior dos últimos dez anos”. A declaração de Valle foi feita durante o “1º Workshop de Ideias Sustentáveis” realizado nesta quarta-feira (10), pela empresa em Manaus.

O evento reuniu representantes de diversas organizações locais, sendo que os debates foram voltados principalmente para o uso racional da água e a boa prática de gestão de resíduos sólidos adotados por instituições e empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM).

Líder do mercado latino-americano de eletrodomésticos, a Whirlpool Latin America atua no Brasil com as marcas Brastemp, Consul e KitchenAid, com fábricas em Manaus, Rio Claro (SP) e Joinville (SC).

Para Valle, a crise econômica brasileira deve impactar no período de grande sazonalidade das vendas de ar-condicionado, que começará mais tarde, e na produção da empresa, cujo volume será menor.

Segundo ele, o mercado de venda de ar-acondicionado tem uma enorme sazonalidade que começa em outubro e termina entre fevereiro e março. Mas o segmento de splits acabou ficando com estoque maior para a próxima temporada e as vendas fora desse período são 15 vezes mais baixas. “Já sentimos uma diferença em fevereiro e março e acreditamos que final do ano deve ocorrer novamente”, observou.

Valle destacou também que, de modo geral, o mercado de linha branca apresentou queda de 15% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. Desta forma, a perspectiva é que a retração do segmento não será menor do que este resultado. “Quanto a nossa produção, ainda não dá para prever, mas torcemos para que o recuo seja menor que esse percentual”, enfatizou.

Férias coletivas

A Whirlpool em Manaus emprega em torno de 1.200 funcionários, mas em período de sazonalidade o número pode chegar a 2.100. A companhia deu férias coletivas para todos os colaboradores entre o final de maio e início deste mês, foram 20 dias em casa. Valle salientou que essa ação ocorre todos os anos. “Programamos as férias coletivas quando termina a sazonalidade para na volta começar a trabalhar nas grandes produções”, garantiu.

Em geral, o cenário produtivo industrial no Amazonas não é nada bom. No último dia 9, a pesquisa da Produção Industrial Mensal realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que a produção da indústria do Estado teve queda de 19,9% em abril, o pior desempenho do país, em relação ao ano anterior.

Com a economia boa ou ruim, segundo Armando, empresa investe em gestão ambiental

Com a economia boa ou ruim, segundo Armando, empresa investe em gestão ambiental

Sustentabilidade é a aposta

Durante o evento, Armando Ennes do Valle Junior revelou que a empresa injetou R$ 19,7 milhões em gestão ambiental durante 2013 e 2014. A previsão é que o mesmo volume seja aplicado este ano na planta da capital.
Ele destacou que, mesmo nesse período de crise, a empresa não tem intenção de diminuir o volume de investimentos nessa área.
“Muito pelo contrário, nós fazemos uma programação trienal, então com a economia boa ou ruim nós iremos investir nessa área”, relatou.

Representantes da Masa da Amazônia, do Grupo Flextronics, não souberam informar quanto a empresa investe no reaproveitamento de resíduos. Mas destacaram que, em média, são recuperados em torno de 6 mil sacos plásticos por dia.

Parceria

Atuando desde 1998 no segmento de coleta, transporte e destinação de resíduos, a Manaus Limpa emprega em torno de 78 funcionários e fatura em média de R$ 200 a R$ 300 mil ao mês. “Só da Whirlpool retiramos 250 toneladas de papelão por mês, de 10 a 15 toneladas de resíduos para incineração e de 5 a 6 toneladas de resíduos orgânicos. Mas temos parceria com outras fábricas do PIM”, relatou o proprietário da empresa Hanover Leite.

Por Silane Souza (equipe EM TEMPO)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir