Sem categoria

Lideranças da FDN são transferidas para o RDD a pedido da Justiça

Acusados de assumir o comando da facção dentro do Compaj e ordenar a escavação de túneis para fugas, grupo foi desarticulado - Foto: Ricardo Oliveira/Arquivo EM TEMPO

Acusados de assumir o comando da facção dentro do Compaj e ordenar a escavação de túneis para fugas, grupo foi desarticulado – Foto: Ricardo Oliveira/Arquivo EM TEMPO

Quatro lideranças da facção criminosa Família do Norte (FDN) que atuavam dentro do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), no quilômetro 8, da BR-174 (Manaus – Boa Vista), foram transferidas, na tarde de ontem, ao Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), do Instituto Prisional Antônio Trindade (Ipat), também localizado na mesma área. Os presos são acusados de assumir a chefia da cadeia, após a prisão dos líderes da organização criminosa, em presídios federais.

Bruno Henrique Assis Bezerra, o “Parazinho”; Demétrio Antônio Matias; João Ricardo Santos da Costa, o “Cacá”; e Cláudio Dayan Felizardo Belfort, o “Maguila”, foram transferidos por determinação do juiz da Vara de Execuções Penais (VEP), Eliezer Fernandes Júnior.

A transferência, de acordo com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), saiu por meio de uma solicitação de caráter emergencial e que não tem prazo estabelecido. Além deles, 17 presos do sistema prisional do Estado estão internos no RDD, a pedido da Superintendência da Polícia Federal (SPF-AM) por 360 dias. Eles são investigados na operação ‘La Muralla’, deflagrada em novembro do ano passado, para desarticular a FDN no Amazonas.

Conforme o titular da Seap, Pedro Florêncio, “Parazinho” foi o escolhido para assumir a liderança da FDN dentro do Compaj. “Foi determinado que ele (Parazinho) assumisse o comando no lugar do José Roberto Fernandes, o “Zé Roberto”, com a ajuda do Demétrio, Maguila e Cacá. Inclusive eles foram transferidos para o RDD hoje (ontem), porque estavam se insurgindo, cavando túneis no presídio a mando da facção criminosa, na tentativa de gerar um caos no sistema de segurança. Mas eles foram punidos, bem como os demais que façam algo ao Estado que serão identificados e apenados”, explicou.

A Seap informou por meio de nota que pediu apoio da Polícia Militar durante o procedimento realizado ontem para a transferência dos quatro internos do Compaj ao RDD, no Ipat.

Por Thais Gama

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir